Presidente interino do Peru renuncia em meio a protestos violentos O presidente interino do Peru, Manuel Merino, anunciou sua renúncia, em caráter “irrevogável”, neste domingo (15), pouco depois de os partidos políticos no Parlamento terem pedido a saída “imediata” dele do cargo, após protestos violentos que deixaram dois mortos e dezenas de feridos.

O presidente do Congresso peruano, Luis Valdéz, em entrevista coletiva, havia afirmado que, se Merino não apresentasse sua renúncia, o Congresso iniciaria um processo de impeachment.

Merino tinha assumido a Presidência da República há menos de uma semana, após a destituição do então presidente Martín Vizcarra.

As manifestações tiveram início depois que o Congresso peruano destituiu Vizcarra por "incapacidade moral permanente", em meio a acusações de corrupção contra ele, substituindo-o pelo presidente do Congresso, Manuel Merino.

A polêmica decisão — que ocorre poucos meses antes das eleições presidenciais, marcadas para abril de 2021 — gerou grande descontentamento.