Eleitor registra voto e divulga no WhatsApp

Um eleitor divulgou uma foto da urna com número e nome de um candidato e agora a imagem está circulando nos grupos de WhatsApp. Não há como saber em qual seção eleitoral a imagem foi registrada, mas pela foto do candidato escolhido pelo infrator, o caso ocorreu no Rio de Janeiro.

Os mesários falharam ao permitir que o eleitor entrasse na cabine de votação com celular. Desde 2009 é proibido o uso de celular no momento do voto. O código eleitoral determina que é crime eleitoral "violar ou tentar violar o sigilo do voto", e a pena pode chegar a até dois anos de prisão e multa de até R$ 15 mil.



Fique atento




  • É proibido distribuir “santinhos” na seção eleitoral.

  • Os mesários não podem usar roupas ou objetos com propaganda de partido político ou candidato. Também não podem usar telefone celular no local de votação.

  • É proibido levar telefone celular ou câmera fotográfica para a cabine de votação.

  • São proibidos comícios e carreatas, propaganda de boca de urna e uso de alto-falantes e amplificadores de som.

  • Até o término do horário de votação, são proibidas aglomerações de pessoas com roupa padronizada e propaganda, com ou sem uso de veículos.

  • Tanto a compra como a venda de votos são crimes eleitorais, puníveis por até quatro anos e pagamento de multa. Além disso, o candidato pode ter o registro ou o diploma cassados.