Dinamarca desiste de exterminar 17 milhões de visons O governo da Dinamarca resolveu suspender a ordem de sacrificar 17 milhões de visons no país. O extermínio dos animais havia sido anunciado na semana passada pela primeira-ministra, Mette Frederiksen. Esses mamíferos foram apontados em estudos como potenciais transmissores do coronavírus.

De acordo com as autoridades de saúde locais, a medida seria necessária para conter a disseminação de uma nova cepa do coronavírus, que poderia ameaçar a eficácia das vacinas contra Covid-19 que seguem em desenvolvimento.

Até segunda-feira (09), 2,4 milhões de animais já haviam sido mortos no país. A medida foi suspensa, principalmente, por causa de suas implicações econômicas.

Os parlamentares do Venstre, partido de oposição ao governo dinamarquês, alegaram que as evidências científicas não eram suficientes para comprovar a necessidade de exterminar os visons.

Eles também argumentaram que o extermínio afetaria o emprego e a renda de muitas pessoas, uma vez que país nórdico é o maior criador de visons do mundo; a pele desses pequenos mamíferos é usada para a confecção de casacos.

A Dinamarca registrou 214 casos de pessoas que teriam sido infectadas pelo novo coronavírus em criadouros de visons. Entre elas, doze foram infectadas com o coronavírus mutado, que exibe uma alteração justamente na proteína spike, parte do vírus que invade e infecta as células saudáveis.