Polícia Federal começa a ouvir testemunhas do incêndio no Hospital Federal de Bonsucesso

A Polícia Federal (PF) começou a ouvir nesta terça-feira (10) as primeiras testemunhas do incêndio que atingiu o Hospital Federal de Bonsucesso (HFB), no Rio de Janeiro, no dia 27 de outubro. Dois funcionários terceirizados tiveram depoimentos colhidos, sendo eles a primeira pessoa que viu os sinais do fogo e o chefe de segurança da unidade.

Segundo a PF, a coleta de depoimentos deve durar algumas semanas. Amanhã, são esperadas mais duas testemunhas na Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários, que investiga o caso. O diretor do HFB, Dr. Edson Santana, também deve ser ouvido nos próximos dias.

Após a realização do escoramento do Prédio 1 da unidade, o mais atingido no incêndio, que terminou ontem (09), agentes da Polícia Federal realizaram mais uma perícia, em busca de vestígios do incêndio. A PF também analisa as câmeras do bloco para tentar descobrir a origem do fogo.

Número de mortos é controverso

Nesta terça o número de mortos entre os pacientes que tiveram que ser transferidos da unidade federal no dia do incêndio chegou a 16. No entanto, o Ministério da Saúde só reconhece três delas como consequência do incêndio.

Esses óbitos ocorreram ainda durante a transferência e, segundo a assessoria do hospital, não há como comprovar a que as mortes posteriores tenham relação com o incidente, já que os pacientes já estavam em estado grave antes de serem transferidos.