Médica brasileira é indicada por Joe Biden para integrar força tarefa contra Covid-19 A médica brasileira Luciana Borio, especialista em imunização, está entre os indicados por Joe Biden, projetado no último sábado como novo presidente dos EUA, para fazer parte de uma força-tarefa que irá traçar um plano contra a pandemia do novo coronavírus a ser implementado a partir da posse, em janeiro.

Ela já ocupou diversos cargos em órgãos de saúde do governo norte-americano e ajudou na elaboração de estratégias de combate às epidemias de Ebola e Zika, entre outras. Luciana também foi, por dois anos, a cientista-chefe da Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora de medicamentos do país.

Borio vive nos EUA desde a década de 1980 e se formou em Medicina em 1996 na Universidade George Washington, na capital do país.

Além dela, farão parte da força-tarefa o ex-cirurgião-geral Vivek Murthy, o ex-comissário da Food and Drug Administration (FDA), David Kessler, e a médica Marcella Nunez-Smith, professora de Saúde Pública da Universidade de Yale.

A brasileira ainda trabalhava como assessora da Casa Branca em maio de 2018, quando alertou, durante um simpósio, que uma pandemia de gripe seria a principal ameaça à segurança sanitária nos Estados Unidos.

"Estamos preparados para responder a uma pandemia? Receio que a resposta seja não", afirmou ela durante uma palestra que marcou o aniversário de 100 anos da pandemia de gripe espanhola.

Em março deste ano, o alerta de Borio voltou a ganhar destaque, em meio a uma pandemia de coronavírus que levou os Estados Unidos a ser o país mais afetado em todo o mundo.

A médica renunciou ao cargo de assessora da Casa Branca em março de 2019, alegando que ficou tentada por uma oportunidade em trabalhar para a In-Q-Tel, uma empresa de investimento estratégico em tecnologia de ponta para defesa e segurança nacional.