Polícia prende no RJ suspeito de operar maior esquema de pirâmide do Brasil

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu nesta segunda (09) Jonas Jaimovick, dono da empresa JJ Invest, que é acusado de operar o maior esquema de pirâmide do Brasil. Agentes da Delegacia de Defraudações (DDEF) cumpriram o mandato de prisão contra Jonas, que foi preso na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.

O esquema de pirâmide funciona quando uma empresa, que vende um produto ou serviço, passa a recrutar investidores, que pagam uma taxa e supostamente recebem uma porcentagem das vendas. Porém, na verdade, os participantes são pagos com dinheiro de novos participantes recrutados, em um ciclo que se torna insustentável quando esse grupo é grande demais para ser acompanhado pelo ritmo de novos “associados”.

A JJ Invest atraia “parceiros” com taxas de 10% a 15% de lucro por mês e com patrocínios a artistas, personalidades, jogadores e ex-jogadores de futebol, o que conferia credibilidade ao esquema.

As investigações apontaram que mais de 3 mil pessoas foram vítimas da empresa, algumas das próprias celebridades. Segundo a polícia, existe na esfera cível uma “infinidade de processos pedindo ressarcimento ao próprio Jonas e a JJ Invest” e ele ainda responde a processos criminais em outros estados brasileiros, como Maranhão e São Paulo.

Outras sete pessoas foram indiciadas no inquérito por participação no esquema. Estima-se que o prejuízo total das vítimas lesadas tenha sido de R$ 170 milhões. Somente na DDEF, que ouviu cerca de 60 vítimas, a quantia perdida teria sido de aproximadamente R$ 30 milhões.