Análise preliminar aponta 90% de eficácia da vacina da Pfizer contra Covid-19

A vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica americana Pfizer, em conjunto com a alemã BioNTech, se mostrou 90% eficaz em análise preliminar da fase 3 dos estudos. A pesquisa é a primeira no mundo a apresentar dados dessa fase, a última antes da aprovação.

"Hoje é um grande dia para a ciência e a humanidade". Foi o que afirmou Albert Bourla, diretor da Pfizer, no anúncio das primeiras análises da pesquisa que pode atestar se a vacina desenvolvida pela empresa é capaz de proteger contra a Covid-19. Foram comparados os casos de infecção de 94 pessoas que receberam ou o imunizante ou o placebo, e a taxa de eficácia da vacina foi de 90%.

Agora, esses dados precisam ser revisados por outros cientistas para que se confirme essa primeira grande notícia. A pesquisa vai seguir seu curso e, quando o número de voluntários infectados com o novo coronavírus chegar a 164, os pesquisadores farão mais uma análise para confirmar a eficiência da vacina", diz o comunicado.

Um dos cientistas à frente do estudo afirmou estar em êxtase e que espera ter todos os dados em definitivo já em dezembro. Segundo a equipe, não foram encontrados efeitos colaterais preocupantes

Fase 3 é a última antes da aprovação

A fase 3 é o último estágio do teste de vacinas. Para atestar a eficácia dos imunizantes, os pesquisadores esperam um número determinado de voluntários serem infectados pelo vírus em questão. Eles, então, comparam o número de contaminados que receberam o imunizante real e o número dos que receberam um placebo, substância sem efeito, usada para controle. Se o número for significativamente maior entre os que receberam o placebo, a indicação é de que a vacina realmente protege.

A vacina da Pfizer é uma das quatro que estão realizando testes da fase 3 no Brasil. Além dela, testam imunizantes a americana Johnson & Johnson, a Universidade de Oxford e a farmacêutica chinesa Sinovac.