Bolsonaro afirma que hacker que invadiu sistema do STJ já foi identificado

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) sofreu um ataque hacker na última terça-feira (03) que removeu o acesso a importantes dados e arquivos de processos do tribunal. O autor da invasão ao sistema pediu resgate para liberar os servidores, mas segundo o presidente Jair Bolsonaro, já foi identificado pela Polícia Federal.

A PF instaurou um inquérito para investigar o caso. Os agentes afirmam que os sistemas de outros órgãos podem ter sido alvo da ação do(s) hacker(s), entre eles servidores do Governo do Distrito Federal e do Ministério da Saúde.

Basicamente, o STJ perdeu, pelo menos temporariamente, o acesso a todos os arquivos presentes em seus servidores, incluindo dados de processos ainda em curso, o que forçou a suspensão de todas as sessões virtuais até que o problema seja resolvido.

No entanto, até o momento, técnicos do tribunal e de empresas terceirizadas que trabalham no caso não conseguiram quebrar a criptografia, técnica que bloqueia o acesso de terceiros a determinados dados. Especialistas em Tecnologia da Informação (TI) alegam que o caso é mais sério do que parece e alguns chegam a classificar como o mais grave ataque digital ao Estado brasileiro.

Mas segundo Bolsonaro, em declaração na quinta-feira (05), a Polícia Federal já identificou o hacker responsável pelo ataque ao STJ. O presidente disse:

“Bem, a Polícia Federal entrou em ação imediatamente. Tive a informação do diretor-geral da PF, o senhor Rolando Alexandre. E ele já foi elogiado pelo presidente do STJ no que ele conseguiu até agora. Já descobriram quem é o hackeador.”