Estado Islâmico reivindica atentado terrorista em Viena

O Estado Islâmico reivindicou nesta terça-feira (03) a autoria do atentado terrorista que deixou 4 pessoas mortas e 15 feridas em Viena, capital da Áustria, nesta segunda (2). Os tiroteios começaram perto de uma sinagoga, e o atirador foi morto no local.

O ministro do Interior austríaco, Karl Nehammer, anunciou que, 14 pessoas foram detidas por suspeita de participação nos ataques, mas descartou que houvesse um segundo atirador.

O suspeito de ter feito os disparos, que foi morto no local, tinha 20 anos e havia sido condenado a 22 meses de prisão em 2019, após tentar viajar para se unir ao Estado Islâmico na Síria. Ele abriu fogo contra clientes de um bar e matou quatro pessoas, sendo um casal de idosos, um pedestre e uma garçonete.

O chanceler austríaco Sebastian Kurz, que já havia condenado o ataque terrorista afirmou: "Nunca nos deixaremos intimidar pelo terrorismo e combateremos esses ataques por todos os meios".

Kurz, que deu carta branca às forças de segurança do país para usarem os meios de investigação necessários, prometeu enfrentar o terrorismo:

"Isto não é um confronto entre cristãos e muçulmanos nem entre austríacos e migrantes. Isto é um confronto entre muitas pessoas que acreditam na paz e outras que querem guerra. É uma luta entre a civilização e a barbárie e iremos lutar com toda a determinação."