Padre Fábio de Melo defendeu união civil gay antes mesmo do Papa O padre Fábio de Melo participou de uma live com o empresário Marcus Montenegro na quinta-feira (29), e falou sobre a defesa do Papa Francisco pela união de casais homossexuais.

"Em 2013, eu dei uma entrevista e fui execrado pela ala mais conservadora da Igreja Católica. A união entre duas pessoas do mesmo sexo não é uma questão religiosa, é uma questão civil. É um direito. Sempre considerei uma injustiça e não cabe a mim julgar, não cabe a mim impor regras religiosas ao outro. A questão é do Estado".

Em um documentário que estreou no último dia 21, o papa Francisco afirmou que casais homossexuais
 devem ter o direito a firmar uniões civis. 

"Os homossexuais têm direito a formar uma família", disse ele no filme, dirigido por Evgeny Afineevsky.

Depressão
Fábio de Melo voltou a falar também sobre os momentos difíceis que atravessou nos últimos anos. O religioso contou que há três anos e meio teve uma crise muito grave e até pensou em suicídio.

"Eu não desejo a ninguém passar o que passei. Pensei em me matar várias vezes. Eu tive dois momentos que pensei em suicídio. Nesta época e quando tinha 18 anos. Fazia noviciado, em Jaguará do Sul, Santa Catarina. Durante um ano e meio, eu tive pensamentos obsessivos para morrer", contou.

Fabio de Melo revelou ainda que foi curado pela medicina.

"Quem me curou primeiro foi a medicação. Os medicamentos foram necessários e quando a medicação me curou, eu fui mudando as minhas posições, a minha rotina. Fui buscar a querer ficar em mim", completou.