Brasil e EUA assinam acordo contra o aborto e em favor da família O Brasil, os Estados Unidos, Egito, Uganda, Hungria e Indonésia organizaram e assinaram uma declaração a favor do papel da família como fundamental para a sociedade e contra políticas que preveem o acesso ao aborto. O documento, chamado de “Declaração de Genebra”, é uma forma que os governos dos países assinantes declaram os seus princípios, mas não obriga nenhum país a adotar alguma lei.

No Brasil, o aborto é considerado um crime, mas é permitido quando há risco de vida para a gestante, o feto não tem cérebro ou quando a gravidez é resultado de um estupro.

O documento enfatiza "os direitos iguais entre homens e mulheres de usufruir de todos os direitos civis e políticos, assim como direitos econômicos, sociais e culturais; e os direitos iguais de oportunidades e de acesso aos recursos e divisão igualitária das responsabilidades familiares pelos homens e mulheres e uma parceria harmoniosa entre eles é fundamental para seu bem estar e o de suas famílias".

Os ministros Ernesto Araújo, de Relações Internacionais, e Damares Alves, da pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, participaram por conferência da cerimônia transmitida virtualmente por conta da pandemia do novo coronavírus.