Neopentecostais são os que mais confiam em Bolsonaro

O apoio dos evangélicos ao governo do presidente Jair Bolsonaro oscilou apenas 1% entre abril e julho, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Datafolha. No primeiro trimestre, 42% consideravam a gestão boa ou ótima. Agora, são 41%. 



Houve, no entanto, uma mudança no perfil das denominações protestantes mais satisfeitas com as medidas do presidente e os fiéis neopentecostais passaram a ser aqueles que compartilham as visões mais positivas sobre Bolsonaro. 



Divulgados nesta segunda-feira (08), os números relativos ao segundo trimestre do ano mostram um crescimento de seis pontos percentuais na aprovação do governo entre os neopentecostais. Em abril, 37% deles consideravam a administração federal ótima ou boa.



Hoje, os mais contentes com o desempenho chegam a 44% dos neopentecostais. Trata-se da denominação mais satisfeita, à frente de 42% dos evangélicos tradicionais e 39% dos pentecostais (há ainda 43% de adeptos felizes com o governo em outras vertentes). 



As igrejas tradicionais são aquelas que nasceram junto com a Reforma Protestante na Europa do século XVI (como a Batista e a Metodista, por exemplo), mais rígidas em relação a costumes. Já as pentecostais compreendem instituições criadas no século XX, nos Estados Unidos, como a Assembleia de Deus e a Igreja do Evangelho Quadrangular.



Em relação ao futuro, 63% dos evangélicos neopentecostais acreditam que o governo Bolsonaro fará um governo ótimo ou bom de agora em diante. Parte significativa dos adeptos à denominação, porém, acredita que ele poderia ter feito mais (64% acham que, até agora, o presidente fez menos do que o esperado).