Nivea diz não para comercial gay O posicionamento da empresa de cosméticos Nivea ao dizer não para uma campanha publicitária pró-gay levou a agência FCB, que prestou serviços por mais de 100 anos para a empresa, a romper sua relação de negócios com a Nivea.

Segundo informações publicadas por ‘AdAge’ no final de junho, a Nivea rechaçou a proposta da agência para uma nova campanha: uma imagem na qual se vê dois homens de mãos dadas. Os funcionários de criação da FCB, um dos quais é homossexual, assinalaram que durante um telefonema com um representante da Nivea, cujo nome não foi revelado, este disse: "Nós não fazemos coisas para gays".

O CEO da FCB, Carter Murray, enviou um memorando interno aos seus funcionários, assinalando que a agência renunciará à conta global de Nivea quando terminarem os contratos no final de 2019. Segundo foi informado, o memorando não aborda o suposto comentário do representante da Nivea aos funcionários de criação da agência publicitária.

Depois que a informação foi divulgada, diversos meios de comunicação em todo o mundo apresentaram a notícia como um caso de suposta "homofobia". No entanto, nas redes sociais, muitas pessoas defendem o direito à liberdade da empresa.

A empresa Nivea é de propriedade da Beiersdorf, um gigante de produtos de cuidados pessoais com sede em Hamburgo, na Alemanha. Por sua vez, a FCB se descreve publicamente como uma "agência global de comunicação de marketing" que faz parte do Interpublic Group of Companies.