Grupo paramilitar ameaça igrejas na Colômbia A sexta-feira (02) foi marcada por uma dura realidade em mais de 60 igrejas na Colômbia. Segundo o pastor e missionário Luiz Renato Maia, da agência missionária Missão Mais, pastores e fiéis foram ameaçados e proibidos de congregar.

De acordo com o pastor, esses irmãos acordaram com uma carta por debaixo da porta da sua casa e uma pichação na parede da sua igreja com as iniciais do grupo armado mais perigoso do país.

O grupo ao qual ele se refere é o AGC - Autodefesas Gaitanistas da Colômbia - uma organização paramilitar na Colômbia envolvida no narcotráfico e no conflito armado que ocorre no país.

Em suas redes sociais, o pastor manifestou sua solidariedade aos cristãos colombianos e comentou o exemplo de fé.

“O que mais me chama atenção é que eles decidiram NÃO FUGIR! E quando perguntados sobre esta possibilidade, sabe qual foi a resposta??? ‘Permanecerei com prudência e seguirei com a obra, não podemos deixar de pregar’. Além de interceder por eles com muita seriedade neste momento de incertezas, eu e você precisamos pensar nesta resposta”, disse Renato Maia.

As ameaças do AGC não se limitaram às igrejas. No departamento de Antioquia, pelo menos 39 municípios reportaram as pichações com a sigla AGC e a entrega dos panfletos. Mas outros departamentos também registraram a presença do grupo armado como Chocó, Bolívar, Córdoba, Caldas, Casanare e Tolima.

A polícia, disse por sua vez, que irá aumentar a presença nestes municípios. As autoridades também confirmaram que algumas pessoas foram presas enquanto distribuíam os panfletos no departamento de Chocó e um trabalho de limpeza das fachadas também está sendo coordenado.

Siga-nos