Alerj diz sim ao processo de impeachment de Wilson Witzel

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) acaba de votar o processo de impeachment do governador afastado, Wilson Witzel. Em sessão ordinária realizada na tarde desta quarta-feira (23), o Projeto de Resolução 433/2020, a Casa autorizou o prosseguimento do processo por 69 a 0.



A proposta foi baseada no parecer do relator, deputado Rodrigo Bacellar (SDD), aprovado pela Comissão Especial da Alerj sobre o tema na última quinta-feira (17). A sessão ocorreu de forma semipresencial, com deputados participando de forma on-line ou presencialmente no Plenário Barbosa Lima Sobrinho.

Eram necessários que dois terços dos parlamentares - o equivalente a 47 deputados – votassem favoráveis ao impeachment, para a denúncia ser encaminhada ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJRJ), que formará um tribunal misto de julgamento - composto por cinco deputados e cinco desembargadores - e definirá os ritos finais do processo com base na Lei Federal 1.079/50.

Witzel será afastado por 180 dias após a denúncia ser recebida pelo tribunal misto de julgamento. Dinâmica da sessão O presidente da Alerj, deputado André Ceciliano (PT), abriu a sessão de hoje, dando a palavra a cada um dos 25 partidos, que tiveram até uma hora para debater o tema.

Ao fim das discussões, o governador falou por cerca de uma hora por videoconferência. 

Ex-juiz federal, ele dispensou seus advogados e fez ele mesmo um discurso inflamado, com ataques ao que chamou de abusos e injustiças contra ele e disse já estar "previamente julgado" pelo parlamento. Antes do governador afastado, 28 deputados discursaram e todos se manifestaram a favor do prosseguimento do impeachment de Witzel.



Em seguida, seguiu a votação aberta, conforme determina o STF. Witzel foi desprezado até por deputados do próprio partido.

A TV Alerj acompanhou a votação ao vivo.