Igreja afasta pastor acusado de agredir a mulher

A liderança da igreja Deus é Amor decidiu afastar o pastor Edson Araújo de suas funções após ele agredir verbalmente sua mulher, identificada apenas como Débora, durante uma transmissão ao vivo no último fim de semana. Sem saber que já estava em live, ele chamou a esposa de "imbecil" e esbravejou sobre a posição do equipamento utilizado para a transmissão. Em vídeo que viralizou nas redes sociais é possível ouvir ainda o barulho de um tapa em algo, mas não é possível afirmar que a agressão física tenha sido contra a mulher.

"A Igreja Pentecostal Deus é Amor vem pelo presente comunicado reforçar o seu absoluto repúdio à violência doméstica e contra as mulheres. Qualquer tipo de violência, principalmente no âmbito doméstico, é totalmente contrário aos princípios cristãos e aos ensinamentos apregoados na Bíblia Sagrada, nossa base de fé. Devemos nos lembrar que a violência doméstica não é apenas pecado, é também um crime. Como cristãos devemos combater atitudes como essa de forma muito enérgica", diz em vídeo o pastor Roberto Marena em nome da diretoria da igreja. "Atualizando a todos sobre o ocorrido: o pastor foi afastado da nossa instituição e todas as medidas cabíveis foram tomadas. A esposa do pastor está recebendo todo suporte necessário neste momento", diz o comunicado.

O líder máximo da denominação, pastor David Miranda Neto, também se pronunciou em vídeo nas redes sociais.

"Se necessário for, as autoridades também serão envolvidas no caso. Nós não seremos coniventes com nenhum tipo de erro, agressão, nada disso. Somos completamente contrários quanto a isso. A igreja Deus é Amor está fazendo tudo que é necessário fazer no seu âmbito disciplinar interno, essa pessoa já foi retirada do seu cargo e as apurações estão sendo feitas. Se necessário for, a justiça será envolvida", disse. "Não somos coniventes e não apoiamos nenhum tipo de agressão seja física, seja verbal, especialmente no âmbito doméstico onde muitas vezes a mulher passa por sujeições que ela não deveria passar".





Entenda o caso