Igreja Universal acusa Globo de perseguição A Igreja Universal do Reino de Deus publicou neste domingo (13) em seu site, uma nota oficial em resposta às acusações feitas em uma série de reportagens da TV Globo com acusações contra a instituição e o prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella. Segundo a igreja, “a emissora tenta manipular a opinião pública alegando suposto envolvimento com a Prefeitura carioca”.

Para falar sobre este assunto, o Bispo Renato Cardoso, ao lado do Bispo Adilson Silva, responsável pela Universal no estado de São Paulo, conversou ao vivo com Crivella durante o programa Entrelinhas deste domingo (13). “É período eleitoral e a Rede Globo faz campanha para o ex-prefeito”, explicou Crivella.

Marcelo Crivella aproveitou a oportunidade para falar sobre o orçamento da Prefeitura e sobre a inexistência deste dinheiro citado nas acusações.

“No processo que corre contra nós (e eu tive acesso), não há absolutamente nenhuma menção à Igreja Universal e nada que se descreva como sendo ilícito da minha parte. Eu pedi para que fosse quebrado o sigilo, pois todos vão poder ver que não há nada que me comprometa”, contou o prefeito.

Crivella, ainda, fez todas as explicações cabíveis para o momento. Inclusive, sobre os impostos que a Globo está devendo para a Prefeitura do Rio de Janeiro.

Na oportunidade, o Bispo Renato ressaltou o fato de não ser a primeira vez que esta perseguição acontece. “Ao longo da existência da Igreja Universal, nós sempre fomos perseguidos e caluniados pela Rede Globo e por outros órgãos que produzem fake news (“notícia falsa”, em inglês) a nosso respeito”, completou ele.

Ainda durante o programa, o Bispo Jadson Santos, responsável pela Universal no Rio de Janeiro, também falou sobre o tema: “A prefeitura nunca deu nada. Aqui, nós temos todo o cuidado. Nunca entrou um centavo”, enfatizou.

Além dele, a advogada responsável pela a área jurídica da Universal no Brasil, Adriana Guerra, explicou sobre o vazamento das informações do processo que correm em segredo de justiça e também com relação à abertura dos dados bancários da Igreja (fatos que configuram crime por parte da acusação). A advogada ainda falou sobre a idoneidade da Universal de declarar absolutamente tudo.

Márcio Chaer, diretor do site “Consultor Jurídico”, também abordou sobre o assunto durante o “Entrelinhas”: “O principal problema é divulgar mentiras e passar para a população. Isso que é danoso”, ressaltou. Igualmente, Chaer acrescentou que a desinformação se tornou uma moeda de troca.

Segundo a reportagem da Globo, o Ministério Público investiga um suposto “QG da propina” na administração municipal. A emissora diz que os documentos foram enviados à Justiça em 2 de setembro deste ano.

O documento não detalha o funcionamento da suposta lavagem de dinheiro. Mas a emissora diz que o sub-procurador geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos do MP-RJ, Ricardo Ribeiro Martins, cita as movimentações atípicas da Igreja, a vinculação de Crivella com a instituição e o envolvimento de Mauro Macedo no crime.

Mauro Macedo coordenou campanhas políticas de Crivella e foi citado em delações firmadas no âmbito da Operação Lava Jato. Ele é primo do fundador da Igreja Universal, Edir Macedo. De acordo com a Globo, o Ministério Público cita Mauro como responsável por aliciar empresários para participar dos esquemas de corrupção na Prefeitura do Rio.

Segundo o G1, Rafael Alves, suposto operador do prefeito do Rio, enviou mensagens ao bispo licenciado expressando sua insatisfação com medidas adotadas na Prefeitura e ameaçava revelar “todos os esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro” , com a “direta participação de Marcelo Crivella, sua família e a igreja”.

LEIA NOTA OFICIAL DA UNIVERSAL
Mais uma vez, a Igreja Universal do Reino de Deus é vítima de um ataque combinado entre a TV Globo e autoridades que atuam de modo abusivo.

A respeito das notícias espalhadas pelo Grupo Globo na noite deste sábado (12), envolvendo de modo irresponsável a Universal, a Igreja informa que não sabe da investigação e da existência desse tal “documento” e das “denúncias” que supostamente traz. Assim, não há como comentar sobre o seu teor — a não ser lamentar a relação espúria entre a Globo e autoridades que vazam, ilegalmente, informações judiciais sem que a parte envolvida saiba de tal investigação.

Contudo, a Universal nega veementemente todas as absurdas acusações sobre lavagem de dinheiro, movimentações financeiras e qualquer outro ato ilícito. Podemos assegurar que toda a movimentação financeira da Universal é completamente lícita e declarada aos órgãos competentes.

Sobre o prefeito Marcelo Crivella, a Universal repete que qualquer bispo ou pastor que decide ingressar na carreira política, licencia-se de suas funções na Igreja, passando a se ocupar exclusivamente da atividade pública.

Não há nenhuma relação financeira entre Marcelo Crivella, suas campanhas políticas e a Igreja.
Nos últimos trinta anos, nenhuma instituição religiosa brasileira foi tão perseguida, atacada, fiscalizada e julgada como a Universal, em nosso país. Em todos, absolutamente todos os procedimentos, a Igreja e seus oficiais foram inocentados.

Tanto os autores quanto quem reproduzir esta nova infâmia contra a Universal, seus bispos, pastores e contra os 7 milhões de fiéis e simpatizantes no Brasil, responderão no Judiciário pelo preconceito contra os cristãos e pelas falsas acusações que caluniam, injuriam e difamam a Igreja.

UNIcom — Departamento de Comunicação Social e de Relações Institucionais da Universal