Secretário de Educação do Rio é preso em operação contra corrupção O secretário estadual de Educação do Rio de Janeiro, Pedro Fernandes, foi preso agora pela manhã na segunda fase da Operação Catarata, que investiga supostos desvios em contratos de assistência social. Ao receber voz de prisão, Pedro Fernandes apresentou um exame positivo de Covid-19, o que transformou a prisão preventiva em domiciliar.

Outras três pessoas também foram presas e a ex-secretaria municipal e ex-deputada Cristiane Brasil está sendo procurada. Ao todo são cumpridos cinco mandados de prisão preventiva e seis mandados de busca e apreensão.

Os contratos sob investigação, firmados entre 2013 e 2018, custaram quase R$ 120 milhões aos cofres públicos. O Ministério Público do Rio de Janeiro afirma que sobre os serviços contratados eram cobradas vantagens indevidas que variaram de 5% a 25% do valor acertado.

A investigação trata de um esquema de corrupção na Fundação Leão XIII, durante o governo Sergio Cabral e Pezão, quando Pedro Fernandes comandou a pasta estadual de Assistência Social. O montante desviado seria de R$ 17 milhões. Pedro Fernandes recebia cerca de 20% de propina, segundo investigadores.

Entre os serviços oferecidos pela Fundação, que teriam sofrido desvios no contrato, estão cirurgias de catarata, exames de vista e doação de óculos.

Os mandados são cumpridos nos bairros de Copacabana, Recreio dos Bandeirantes e Barra da Tijuca.