Ministério da Agricultura garante que não vai faltar arroz no país A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, disse nesta terça-feira (8) que o governo vai trabalhar para manter o abastecimento e baixar o preço do arroz no país. Durante reunião do Conselho de Governo, a ministra foi questionada pela youtuber mirim Esther Castilho, de 10 anos, sobre os preços do produto ao consumidor.

"O arroz não vai faltar. Agora ele [o preço do arroz] está alto, mas nós vamos fazer ele baixar. Se Deus quiser, vamos ter uma super safra no ano que vem", disse Tereza Cristina. A situação do setor vem sendo monitorada de perto pelo Mapa e não há previsão de falta de produto.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vinculada ao Mapa, a produção de arroz estimada para a próxima safra (2020/21) é de 12 milhões toneladas, um incremento de 7,2% em relação à safra anterior.

Para a safra 2020/21, que começa a ser comercializada em março de 2021, é esperada uma produção maior, com arrefecimento de preços no próximo ano.

A Conab informa que o país possui atualmente estoque para suprir o consumo interno. A companhia aponta que a alta de preços do arroz no varejo brasileiro é resultado da intensa valorização do grão no mercado.

Ainda de acordo a Companhia, historicamente, o segundo semestre, por se tratar de período de entressafra, possui cotações mais elevadas para o arroz. Entretanto, como a cotação interna já ultrapassa a paridade de importação dos principais mercados produtores do grão, é pouco provável que haja sustentação do atual patamar de preços no médio prazo.

Análise da Camex

A Câmara de Comércio Exterior (Camex) deverá deliberar, ainda este mês, a pedido do setor, sobre a manutenção da Tarifa Externa Comum para a importação do arroz de fora do Mercosul.

Na avaliação da Conab, além do aumento da demanda na pandemia, a valorização do produto pode ser explicada pelos seguintes fatores: 1. os elevados patamares de preço internacional anteriores à crise do Covid-19; 2. a desvalorização do Real perante o Dólar; 3. a expressiva exportação de janeiro até julho deste ano; 4. a menor disponibilidade de importação de arroz dos parceiros do Mercosul; e 5. a redução de área plantada no Brasil com esta cultura nas últimas duas safras, resultado das baixas rentabilidades identificadas nos últimos anos.