Vacina russa produz resposta imune e não tem efeito colateral grave A vacina russa "Sputnik-5" contra a Covid-19 produziu resposta de anticorpos em todos os participantes de testes em fase inicial, de acordo com resultados publicados nesta sexta-feira (04) pela revista The Lancet, umas das publicações científicas mais respeitadas em todo o mundo.

Os resultados foram interpretados pela Rússia como uma resposta a quem duvidou da eficácia da vacina. Resultados de dois testes, conduzidos entre junho e julho envolvendo 76 participantes, mostraram que 100% dos pacientes desenvolveram anticorpos para o novo coronavírus sem nenhum efeito colateral grave, segundo a publicação.

A Rússia licenciou a vacina de duas doses para uso doméstico em agosto, se tornando o primeiro país a desenvolver uma vacina contra o coronavírus. Mas países como os Estados Unidos questionaram a vacina, porque Moscou não havia divulgado dados sobre completos sobre todas as fases de testes.

Com os resultados agora publicados pela primeira vez em uma revista científica de prestígio, um funcionário russo do alto escalão do governo disse que o país enfrentou seus críticos no exterior, segundo a agência de notícias Reuters.

“Com esta (publicação), respondemos a todas as perguntas do Ocidente que foram diligentemente feitas nas últimas três semanas, francamente com o objetivo claro de manchar a vacina russa”, disse Kirill Dmitriev, chefe do Fundo de Investimento Direto Russo ( RDIF), o fundo soberano da Rússia, que apoiou a vacina.

De acordo com a Reuters, Dmitriev disse que pelo menos 3 mil pessoas já foram recrutadas para o teste em grande escala da vacina Sputnik-V, lançado na semana passada, e os resultados iniciais são esperados para outubro ou novembro deste ano.