Secretaria de Educação de SP esclarece hipótese de abolir menção à Era Cristã em livros didáticos A Secretaria Estadual de São Paulo decidiu se pronunciar nesta terça-feira (1º) depois que passou a circular em redes sociais a informação de que o Estado iria abolir a menção à Era Cristã no material didático distribuído aos alunos da rede.

Em um vídeo, o candidato à prefeitura de Goiânia (GO), Gustavo Gayer (DC), mostra uma gravação da professora de história Janaina Jardim dizendo que a datação de Antes de Cristo e Depois de Cristo (AC/DC) seria mudada pela secretaria para “Antes da Era Comum (AEC)” e “Depois da Era Comum (DEC)”. E atribui a isso uma militância.

Após a repercussão do vídeo, a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo divulgou a seguinte nota:

“Os termos a.C. (antes de Cristo) e d.C. (depois de Cristo) são o padrão da Seduc para construção dos materiais didáticos, assim como nos livros paradidáticos e de literatura adquiridos para as unidades escolares e são os mais utilizados no Brasil.

Existem outras nomenclaturas que tem sido utilizadas para nominar os períodos a.C. (antes de Cristo) e d.C. (depois de Cristo), que aparecem em publicações como, por exemplo, as da Revista Orácula ligada à Universidade Metodista ou na Revista da Sociedade Brasileira de Arqueologia.

Como o estudante poderá se deparar com nomenclaturas diferentes em outros textos durante sua trajetória acadêmica, é importante que eles tenham ciência da existência das mesmas. Juntamente com o questionamento, circula em redes sociais a explicação de uma docente a respeito da utilização destas terminologias. Nesse sentido, cumpre esclarecer que a aula em questão procura explicar essa distinção e não representa uma diretriz da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo que continua utilizando a terminologia a.C/d.C. como o padrão.

Esta posição será reforçada com a equipe da secretaria.”

ROSSIELI SOARES DA SILVA
Secretário da Educação do Estado de São Paulo

Abolir a menção à Era Cristã abriria caminho até mesmo para a mudança do nome do Estado, uma vez que “São Paulo” é uma referência a um dos apóstolos de Jesus Cristo.