Os 7 pecados de Flordelis

Dados levantados pela Polícia Civil do Rio de Janeiro durante as investigações do assassinato do pastor Anderson do Carmo revelam total ausência de Deus na vida de pessoas que estavam à frente de uma instituição supostamente cristã, o Ministério Flordelis. A descoberta de que sua pastora, a também cantora e deputada federal Flordelis, foi a mandante deste crime bárbaro traz detalhes sórdidos que mostram como o Pai da mentira é astuto e perverso na tentativa de abalar a fé daqueles que caminham com Cristo, usando nossos próprios semelhantes, descritos na Bíblia como “corruptível” e “pecador”.

Mas como diz a passagem bíblica que deu nome à operação que prendeu 5 filhos e uma neta de Flordelis envolvidos no caso, “Não há nada escondido que não venha a ser descoberto, ou oculto que não venha a ser conhecido. O que vocês disseram nas trevas será ouvido à luz do dia, e o que vocês sussurraram aos ouvidos dentro de casa, será proclamado nos telhados.” (Lucas 12.2-3).

A família com 55 filhos, que chegou a inspirar um filme, hoje é vista como uma verdadeira quadrilha, capaz de arquitetar um plano sórdido de assassinato conforme revelaram as investigações policiais. Veja algumas descobertas feitas pela Polícia Civil e o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro.

1.Ajuda da Internet

"Assassino onde achar", "Alguém da barra pesada", "Barra pesada online", "Veneno para matar pessoa que seja letal e fácil de comprar” e "Cianeto de cobre" foram algumas das buscas feitas por Marzy Teixeira da Silva, filha da deputada federal Flordelis, no Google.

2.Usou dinheiro da própria vítima para pagar o crime

O dinheiro que o pastor carregava em uma mochila de couro, com a qual sempre andava, e a maior parte de uma coleção de 20 relógios mantida por ele desapareceram depois de seu assassinato. A Polícia Civil suspeita que a quantia e os acessórios tenham sido usados como parte do pagamento pela execução do crime.

3.Pornografia

A dúvida sobre o que o casal fez antes do crime continua a rondar os investigadores. Uma das suspeitas da Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo, levantada ao longo do inquérito, é de que o casal tenha ido a uma casa de swing em Botafogo, na Zona Sul do Rio. O trajeto feito pelo carro do casal na noite do crime aponta a proximidade da boate com o último ponto por onde eles passaram. Segundo o relatório, a distância é de cerca de 500 metros.

4.Aliciamento

Segundo a polícia, além de planejar a morte do marido, Flordelis tentou convencer os filhos a não incriminá-la, nos depoimentos. A deputada teria passado a prometer vantagens financeiras aos filhos. Alexander Felipe, conhecido como Luan, contou em depoimento uma semana após a morte do pastor que Flordelis havia prometido uma viagem aos Estados Unidos caso ele desistisse de depor contra ela. Outros filhos também receberam promessas de presentes em troca de não denunciá-la.

5.Suspeita de “rachadinha”

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro encaminharam à Procuradoria-Geral da República e à Câmara dos Deputados indícios da prática de "rachadinha" e de nepotismo no gabinete de Flordelis, em Brasília. As acusações de "rachadinha" – esquema de repasse de parte do salário recebido por funcionários, servidores ou prestadores de serviço a um político ou a assessores dele – envolvem o filho afetivo Carlos Ubiraci Francisco da Silva e a neta de Flordelis Rayane dos Santos Oliveira.

6.Casou com o filho adotivo

A impressionante árvore genealógica da família, revelam que Flordelis já foi mãe e sogra de Anderson antes de se casar com ele. De acordo com reportagem do RJTV, Anderson teria sido adotado junto com outros cinco filhos pela parlamentar, formando a “primeira geração”.  O pastor, ainda como filho, se tornou genro de Flordelis quando começou a namorar a filha biológica da deputada, Simone, que também esteve envolvida no assassinato. Tempos mais tarde, Anderson se tornou marido e gerente da família composta por 55 filhos.

7.Envenenamento

Investigações apontam que a primeira tentativa de Flordelis de matar o próprio marido teria acontecido em maio de 2018, quando doses de arsênio foram colocadas na comida do pastor. Segundo a polícia, foram pelo menos seis tentativas de envenenamento. O pastor chegou a ser atendido algumas vezes por médicos, relatando vômitos, diarreia e outros sintomas.

Muitas outras obscuridades rondam a família que esta semana foi apontada como responsável pelo crime ocorrido no dia 16 de junho de 2019, na casa onde moravam em Pendotiba, Niterói/RJ. Pessoas certamente sentiram-se enganadas pelos acusados que por suas ações demonstraram ter “edificado sua casa sobre a areia”. Mas a lição que fica é a de que “nossos olhos devem estar fitos em Deus”. Foi Ele quem nos prometeu a vida eterna. Foi Cristo quem morreu para nos purificar dos pecados. Que a nossa fé esteja firmada em Jesus.

“Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou sua casa sobre a areia”. Mt 7:24 e 26