Após polêmica, quadrinhos sobre Jesus será lançado

A trama da série Second Coming ("Segunda Vinda", em tradução livre) deve chegar às bancas dos Estados Unidos em julho Deus. Mas houve meses de polêmica, acusações de blasfêmia, ameaças e uma campanha online que resultou no cancelamento inicial da publicação da obra. Tudo porque a história em quadrinhos mostra o personagem principal como Deus, decepcionado com o desempenho de Jesus em sua primeira passagem pela Terra, quando acabou crucificado, e ordena seu retorno. O autor, Mark Russell, disse à BBC News que história fala do retorno de Jesus Cristo à Terra sob ordem de seu Pai, para que possa aprender a se defender com o maior super-herói do mundo, no caso um super-herói chamado Sunstar, uma espécie de Super-Homem. Mas na história, o Messias prefere uma abordagem não violenta. Como passou os últimos dois milênios sem saber o que acontecia na Terra, Jesus fica chocado ao descobrir como os humanos distorceram sua mensagem. A amizade entre Jesus e o super-herói mostra como a atitude não-violenta do Filho de Deus é mais importante para a humanidade do que superpoderes. O lançamento estava inicialmente previsto para março deste ano, pelo selo Vertigo da DC Comics (editora de Batman e Super-Homem). Mas em janeiro, seis meses depois do anúncio, a notícia começou a chamar a atenção de sites religiosos. O CBN News, da Christian Broadcasting Network (Rede de Radiodifusão Cristã), publicou uma matéria com o título "DC Comics transformou Jesus em um novo super-herói - mas há um grande problema". O texto afirmava que Second Coming "está mais para blasfemo do que para bíblico". Houve boicote por parte de vários outros sites cristãos norte-americanos e até de redes conservadoras de comunicação. Logo uma campanha na CitizenGO, uma plataforma de petições online que diz promover "vida, família e liberdade", pedia que a DC Comics cancelasse a publicação da série. O texto da petição dizia que "a DC Comics irá lançar uma nova série ultrajante e blasfema" e perguntava: "Você consegue imaginar o barulho no meio político e na mídia se a DC Comics estivesse alterando e zombando da história de Maomé ou Buda?" A petição reuniu mais de 235 mil assinaturas. Em fevereiro, a DC Comics cancelou a publicação. Ou autor garante que em sua obra não há qualquer tipo de ofensa a Jesus Cristo e lamenta que pessoas tenham se sentido ofendidas antes mesmo de ter lido o livro. O quadrinista diz que seu livro é muito respeitoso às ideias de empatia e perdão pregadas por Cristo, mas não tanto em relação àqueles "que tentam usar Cristo como uma mascote para sua própria ganância e violência". Quadrinista premiado e autor de uma elogiada versão de Os Flintstones, Russell conta que cresceu entre cristãos evangélicos e que a religião desempenhou um papel importante em sua vida. Com o cancelamento, a DC Comics concordou em devolver os direitos sobre o projeto aos autores, e em março foi anunciado que a série será publicada pela AHOY Comics. Russell diz que a mudança de editora acabou sendo positiva. "Permitiu-nos criar uma história mais longa e bem desenvolvida para o primeiro número. O editor-chefe da AHOY, Tom Peyer, disse à BBC News Brasil que estão previstos seis números, um por mês, a partir de julho. Por enquanto, não há planos de lançamento no Brasil.