Ayrton Senna é o piloto mais rápido de todos os tempos Um estudo divulgado pelos organizadores da Fórmula 1, após mais de um ano de trabalho, aponta que Ayrton Senna foi o piloto mais rápido de todos os tempos. Ao longo da carreira, o brasileiro, que correu por 10 anos na categoria, fez 65 poles positions em 162 corridas. Durante muitos anos, se manteve no topo do ranking, até ser ultrapassado pelo alemão Michael Schumacher e, depois, pelo britânico Lewis Hamilton (o alemão parou em 68 poles em 308 corridas; Hamilton já tem 91, em 251 provas).

De acordo com o estudo feito pela categoria, a pesquisa foi desenvolvida com base em um complexo algoritmo, que usa dados oficiais coletados desde 1983. E, desta forma, foram considerados os desempenhos dos pilotos nos treinos classificatórios que, segundo os pesquisadores, fornecem tempos mais legítimos e próximos da real capacidade dos competidores. Com isso, foi feito um ranking mais justo e que coloca em condições de igualdade um piloto que tem carros inferiores e que, nas provas, não têm condições de brigar de igual por igual devido à limitação dos equipamentos.

OS NÚMEROS
De acordo com a pesquisa, Senna foi, em média, 114 centésimos de segundos mais rápido que o heptacampeão mundial Michael Schumacher. Em terceiro lugar, aparece o hexacampeão mundial Lewis Hamilton, 275 centésimos atrás, e o jovem Max Verstappen, que ficou 280 centésimos de segundo atrás. O outro brasileiro que aprece na lista é Rubens Barrichello, o 11º mais rápido da história da Fórmula 1 – 445 centésimos de segundos atrás de Senna. O francês Alain Prost, arquirrival de Senna, é apenas o 20º mais rápido, com 514 centésimos de segundos.

Atualmente, em 2020, a grande expectativa no mundo da Fórmula 1 é a possibilidade de Hamilton ultrapassar Schumacher em número de vitórias (tem três a menos), além da igualdade em títulos (sete no total).

Ayrton Senna teve três títulos mundiais, mas morreu quando estava no auge da carreira. Sem um adversário a altura, Schumacher passou a dominar a categoria após 1994, quando o brasileiro perdeu a vida no trágico acidente do GP de San Marino.

O alemão também deixou as pistas por conta de uma fatalidade. Em dezembro de 2013, Michael Schumacher já era heptacampeão de Fórmula 1, quando ao descer por uma pista de esqui nos Alpes franceses quando caiu e bateu a cabeça.

O piloto está em coma até hoje. Mas em 2019 ele teria passado por um tratamento com células tronco. Desde então, a família de Schumacher não tem dado informações sobre seu estado de saúde.