Prefeitura de Niterói afasta enfermeira envolvida no caso de bebê queimada em hospital A prefeitura de Niterói determinou o imediato afastamento da enfermeira envolvida no caso do bebê que teve parte do corpo queimada durante o banho, no Hospital Municipal Getúlio Vargas Filho (Getulinho). A sindicância instaurada para apurar o incidente deve ser finalizada na próxima terça-feira (25), e os responsáveis podem ser demitidos por justa causa.

"A direção do hospital determinou o imediato afastamento da funcionária envolvida no caso e foi aberta uma sindicância para apurar responsabilidades, com conclusão prevista para a próxima terça-feira, que poderá resultar, inclusive, na demissão dos responsáveis por justa causa, diante a gravidade do fato. Todos os profissionais que atenderam a criança estão sendo ouvidos", diz a nota oficial.

Nesta sexta-feira, mais funcionários do Getulinho prestaram depoimento na 78ª DP (Fonseca). De acordo com o delegado responsável pelo caso, Luiz Jorge Rodrigues da Silva, quatro pessoas já foram ouvidas, e outras duas irão depor nos próximos dias.

A família do bebê pretende processar a prefeitura de Niterói por danos morais e não descarta outras ações contra os demais envolvidos.

De acordo com o prontuário médico entregue ao advogado da família, a pequena Juliana Anastácio, de 6 meses, teve 37% do corpo queimado durante sua internação no Hospital Getulinho.

De acordo com a investigação da Polícia Civil, uma enfermeira que dava banho na pequena se distraiu e deixou a temperatura da água atingir cerca de 50 graus, nível bem acima do máximo recomendado (36ºC).

As queimaduras atingiram a parte inferior do corpo da criança que estava submerso. Uma perícia realizada na tarde de quinta-feira (20), sob acompanhamento do Instituto Médico Legal (IML), apontou a água quente como causa dos ferimentos. A enfermeira pode responder por lesão corporal grave.

A criança está sedada e respira com ajuda de aparelhos. “Infelizmente, vou ter que manter minha filha no hospital, porque não tenho condições de levá-la para outro lugar”, lamentou o pai.