Cristãos estão saindo dos templos e indo para as ruas Centenas de pessoas se reuniram Cal Anderson Park, em Seattle (EUA) no domingo (09) para adorar a Deus no evento chamado"Let Us Worship" (Vamos Adorar) organizado pelo missionário, ativista humanitário e líder da banda Bethel Music, Sean Feucht.

O local, normalmente não bem frequentado, foi o ponto de encontro dos cristãos que tomaram o bairro no início deste verão. Manifestantes chegaram a esta parte da cidade depois de crescentes tensões após a morte de George Floyd em Minneapolis. Mas o evento de domingo foi repleto de oração e louvor ao Espírito Santo.

Feucht compartilhou um vídeo no Instagram que mostra homens, mulheres e crianças entregando suas vidas a Cristo. A multidão cantou e dançou livremente.

“A igreja se mostrou e Deus nos encontrou! Deus derramou Sua presença, amor e bondade de maneiras incomensuráveis,” escreveu o líder de louvor.

Feucht explicou que a multidão foi incentivada a usar máscaras contra o coronavírus, mas os cristãos não devem ser censurados por querer se reunir enquanto outros protestos não religiosos são aprovados por políticos.

"Os líderes do governo expressaram apoio aos protestos ao ar livre nos últimos meses, eles não deveriam estar condenando os cristãos que buscam se reunir em adoração", escreveu Feucht em um post no Facebook no mês passado. “Máscaras foram disponibilizadas, o distanciamento social foi encorajado e a reunião foi realizada do lado de fora como uma precaução extra. A liberdade de adorar a Deus é um direito constitucional de todo cidadão americano e aqueles que exercem esse direito não devem ser injustamente alvo de críticas”.

Apesar dos violentos manifestantes que tentaram impedir o comício, Feucht e o resto da multidão continuaram a adorar.

“Tivemos uma seita satânica inteira marchando entre os adoradores o tempo todo gritando 'Salve, Satã!' Eles tentaram parar nossos geradores... mas em meio a tudo isso... Seattle nunca parou de cantar ! Vimos salvações, curas, milagres e batismos! Foi em outro nível! A igreja se recusou a ser intimidada e Deus foi glorificado!”, disse Feucht.

Os comícios de adoração começaram neste verão na Califórnia, quando os cristãos se opuseram ao fechamento obrigatório das igrejas pelo governador Gavin Newsom, devido à Covid-19.

Desde então, vários movimentos têm acontecido ao ar livre. A polícia local não tentou desmantelar as reuniões e admitiu que sua capacidade de evitá-los é limitada.