Paraná inicia negociações com a Rússia para produção de vacina contra o coronavírus O governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), está disposto a trazer para o Brasil a vacina contra o coronavírus registrada ontem (11) pela Rússia. Os caminhos para esta parceria devem começar a ser definidos em um encontro – virtual – marcado com o embaixador russo no Brasil, Sergey Akopov, nesta quarta-feira (12).

Cientistas de todo o mundo pediram cautela com o anúncio sobre a primeira vacina contra a Covid-19 feito pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, por considerarem muito precoce ter um imunizante em um tempo tão curto. Além disso, pouco se sabe sobre os estágios de testes.

As outras duas vacinas que estão com as pesquisas mais aceleradas, a de Oxford e a do laboratório chinês Sinovac, podem ter o registro somente no fim do ano. Isso se todos os testes mostrarem resultados positivos na imunização e sem efeitos colaterais significativos.

Em relação à vacina russa, o Ministério da Saúde considera que ainda não há provas de segurança e eficácia que justifiquem abrir negociações para a compra do produto com recursos do governo federal.

Também não há o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a produção ou a realização de testes no Brasil.

O governo do Paraná disse que nenhum dinheiro foi gasto até o momento com a vacina. O estado afirmou que o Instituto de Tecnologia do Paraná será colocado à disposição para produção das doses.