Flordelis diz não acreditar em nada, se referindo às prisões de dois filhos Cantora, pastora e deputada federal. Mas o que Flordelis mais gosta de ser é mãe. Assim ela se definiu em uma entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, na noite deste domingo (30). E por amar é que ela disse que não protege nenhum deles, se referindo ao caso da prisão de dois dos seus filhos (Flávio e Lucas) no caso da morte do seu marido, o pastor Anderson do Carmo.

Flordelis também disse não acreditar em nada, ao ser questionada sobre as prisões de Flávio e Lucas, mas que tem certeza absoluta que não estava sendo traída pelo pastor e se disse orgulhosa disso. No início da conversa chegou a dizer que o casal teve uma noite maravilhosa, horas antes do crime acontecer.

Mais uma vez, ela disse desconhecer o paradeiro do celular do pastor e que na noite do crime ouviu 6 disparos, apesar de a perícia indicar 30 perfurações de balas no corpo do pastor.

Sobre o filho biológico Flávio, que segundo a polícia teria assumido a autoria do crime, Flordelis revelou que ele havia brigado com a esposa. Já o adotivo Lucas foi classificado pela pastora como um rapaz muito fechado, filho de um traficante e órfão de mãe. Segundo Flordelis, Lucas havia tido problemas com o pastor Anderson, que estaria insatisfeito com “atitudes erradas” do jovem. Ela também revelou que Lucas havia saído de casa. Mas as câmeras mostram ele deixando duas mochilas na casa de Flordelis na noite do crime, antes de o casal chegar em sua residência, em Niterói/RJ.

Sobre se o pastor teria desafetos, Flordelis comentou não se lembrar de alguém que tivesse motivos para cometer o homicídio.

Mas o discurso de Flordelis parece não ter credibilidade alguma junto à família da vítima. Michelle do Carmo, única irmã do pastor Anderson, disse em entrevista ao programa Domingo Espetacular, da TV Record, que não pretende ver a cunhada.

“Não pretendo vê-la tão cedo na minha frente. Eu estou com ódio e pedindo a Deus para limpar o ódio que está no meu coração. É uma revolta muito grande”, disse Michelle.

Michelle falou em justiça e para isso contratou um advogado. Ela diz acreditar que a motivação do crime tenha sido dinheiro.

“Se ela tiver alguma coisa na morte do meu irmão, virá à tona”, encerrou.