Publicidade

Pastora revela ser transexual e é excluída da igreja Uma reverenda que chefiava uma congregação da Igreja Batista no Canadá foi demitida depois de contar aos fiéis que é uma mulher transexual. A revelação foi feita durante um sermão via teleconferência.

Junia Joplin fez um sermão aos fiéis, sobre não ter medo de revelar os seus sentimentos e o seu verdadeiro eu. Agora, após a repercussão, a religiosa foi excluída da igreja.

Junia já estava afastada de suas funções há cerca de um mês enquanto líderes da congregação discutiam qual seria seu futuro. Na segunda-feira (20) uma votação decidiu que ela deveria ser demitida do cargo.

"A igreja enfrentou uma jornada no último mês atravessando o processo de tentar discernir a vontade de Deus", disse a congregação. "Ficou determinado, por razões teológicas, que não é da vontade de Deus que June continue sendo nosso pastora".

June frequentou a igreja como homem durante praticamente todo o período em que foi pastora, mas passou a aparecer ocasionalmente como mulher dois anos atrás. "Até 14 de junho, eu era percebida como um homem", contou ao "New York Times". "Eu me apresentava como um homem, sendo chamado pelo meu — já morto — nome de batismo. Essa era eu me apresentando o mais masculina que eu podia", relatou.

No vídeo em que revelou ser uma mulher, June pediu que as pessoas abraçassem as diferenças. "Eu quero que vocês me ouçam quando digo que eu não sou apenas um pastor: eu sou uma mulher. Meu nome é Junia, vocês podem me chamar de June. Eu sou uma mulher transexual e meus pronomes são 'ela' e 'dela'".

A pastora afirmou que estava se tornando a pessoa que Deus a criou para ser. "É assustador, mas eu li em algum lugar que o amor espanta o medo", afirmou fazendo uma referência ao evangelho de João.