Regiões do Rio têm queda de contaminação para Covid-19 A Secretaria de Estado de Saúde (SES) divulgou, nesta terça-feira (21), uma nova nota técnica e o painel de indicadores com atualização sobre a pandemia de coronavírus no Rio de Janeiro. No estudo, a Região Metropolitana, Baixada Litorânea e Noroeste fluminense estão classificados como "baixo risco" para a covid-19. 

Algumas regiões evoluíram de risco moderado para baixo risco, enquanto outras permanecem no estágio moderado. Os dados foram apurados no dia 17 de julho, correspondentes à Semana Epidemiológica (SE) 27, e compara com dados anteriores à SE 25, considerando o tempo da atualização de informações para maior consistência do resultado encontrado.

Interior em alerta

No entanto, nas regiões Norte, Serrana, Centro-Sul, Médio Paraíba e Baía da Ilha Grande, o cenário epidemiológico reflete uma classificação na faixa de cor laranja, correspondendo ao risco moderado. A pontuação geral dessas regiões foi impactada pelo aumento no número de óbitos por SRAG e, principalmente, pelo aumento na taxa de positividade para covid-19.

Ocupação de leitos
Nos hospitais públicos e privados do Estado é possível perceber, dia a dia, a queda nas internações de pacientes com Covid-19. Apesar da melhora, médicos e especialistas alertam que ainda não é hora de se descuidar.

O ponto de lotação máxima do sistema de saúde do Rio foi no dia 25 de abril, quando 98% dos leitos de UTI estavam ocupados. Agora a ocupação é de 77% e poderia ser menor, se o governo do estado não tivesse desativado os leitos dos hospitais de campanha do Maracanã e de São Gonçalo.

A capital dá bons sinais de queda de contaminação, mas algumas cidades do interior estão em alerta. Em Nova Friburgo, por exemplo, houve aumento de pacientes internados e a cidade precisou endurecer a quarentena.