Médico é perseguido por orar com pacientes Um médico cristão na Inglaterra pode perder o direito de exercer sua profissão por compartilhar sua fé com pacientes. O Dr. Richard Scott, clínico geral do Bethesda Medical Center em Margate, Kent, está atualmente sob investigação do Conselho Geral de Medicina e do Serviço Nacional de Saúde.

A investigação mais recente surgiu depois que um conhecido de um paciente queixou-se à Sociedade Secular Nacional, em maio, que um paciente "altamente vulnerável" sentia "desconforto com o uso da oração" por Scott, de acordo com o jornal The Telegraph.

Scott já enfrentou medidas disciplinares antes. Em 2012, o médico recebeu uma advertência do Conselho de Medicina por dizer a um paciente de 24 anos “psicologicamente problemático” que “a menos que ele se voltasse para Jesus, ele sofreria eternamente”. Ele também disse: “O diabo assombra pessoas que não seguem Jesus.

Por sua parte, Scott, um cristão comprometido, disse que só ofereceu ao paciente a chance de falar sobre o papel que a fé poderia ter em ajudá-lo no final da consulta e com a permissão do paciente.

Outra queixa contra o médico ocorreu no início deste ano, depois que disse na BBC Radio 4 que introduziu a opção da fé cristã para aqueles que lutam contra o vício, depressão e ansiedade. Ele deixou claro no início da entrevista, no entanto, que é "muito importante" as pessoas verem o elemento religioso como "um acréscimo" ao tratamento médico padrão.

Scott acredita que tem sido perseguido porque seus colegas de trabalho não o toleram.

"Bem, para ser honesto, eu não gosto deles, mas não estou tentando que eles percam seus empregos", disse o médico ao The Telegraph. "Eles acham que eu sou irresponsável e perigoso, e eu diria o mesmo sobre eles."

Grupos de apoio aos cristãos defendem que Scott é um bom médico, com longa experiência e o profissional está ciente que algumas pessoas podem se sentir desconfortáveis com a oração e garantem que o médico sempre pede permissão e tenta ver com sensibilidade se as pessoas estão abertas para isso ou não.