Publicidade

Educador financeiro fala sobre sacar ou não sacar o FGTS

Muitas pessoas se questionam sobre o direcionamento relacionado ao FGTS, se devem usar ou não usar. Isso por que o governo federal deu início nesta segunda-feira (29) ao pagamento de até R﹩ 1.045 do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) Emergencial. Os depósitos seguem até 21 de setembro para as poupanças digitais abertas pela Caixa Econômica Federal, podendo ser utilizando apenas para pagamentos de boletos e compras online.

Posteriormente a este prazo o dinheiro poderá ser sacado diretamente. O calendário depende do mês de nascimento do trabalhador. Essa medida vem como uma forma de combater a crise criada pela pandemia do coronavírus e deverá ser utilizada pelas pessoas que realmente estão sentindo o impacto da crise no bolso

Reinaldo Domingos, PhD em Educação Financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros e da DSOP Educação Financeira, é autor de diversos livros sobre o tema, como o best-seller Terapia Financeira. Ele falou ao Melodia News sobre o uso deste recurso complementar em momento de crise econômica mundial.

É uma boa usar esse dinheiro neste momento?

Reinaldo Domingos: Depende, primeiro temos que levar em conta que atualmente o rendimento do FGTS é maior do que a maioria dos investimentos existentes.

Em contrapartida, essa renda, mesmo que não tão significativa, pode vir em boa hora para quem está em dificuldade. O problema é que muitas pessoas usam rendas extras mesmo sem necessidade e em compras que não precisam sem considerar sua situação financeira atual, entrando numa bola de neve de inadimplência. Infelizmente, isso é comum.

O que o trabalhador deve considerar?

Assim, a decisão de como usar o FGTS vai depender justamente da situação financeira em que a pessoa se encontra. Se ela estiver em uma situação financeira confortável, a melhor orientação é não mexer neste dinheiro e deixar ele rendendo, pois poderá ajudar muito suas finanças.

Mas se estiver endividado deverá sim sacar, mas com foco, para que o dinheiro seja utilizado para o que realmente é necessário. 

Quais as orientações para quem está em situação de inadimplência?

Caso o valor resgatado seja suficiente para quitar as dívidas em atraso totalmente, mesmo assim é preciso cuidado, avalie se não vai precisar destes valores no futuro, na crise é hora de planejar muito bem os gastos. Além disto, é válido negociar e conseguir descontos, diminuindo grande parte da dívida. Por outro lado, se não for para quitar 100% da dívida, é mais interessante investir o valor e para ter força para negociar no futuro.

De uma forma ou de outra, o principal a ser feito nessa situação delicada é se educar financeiramente, ou seja, mudar seu comportamento para não mais retornar à inadimplência. O primeiro passo é olhar para a sua situação de forma honesta e levantar todos os números, traçando um planejamento para renegociar a dívida - agora ou no futuro - em parcelas quem respeitem o orçamento mensal.

Quem está em situação equilibrada ou deseja usar o valor para investir, deve agir de que forma?

Esse dinheiro pode ser a salvação para não se endividar, assim é preciso de muito cuidado, o valor pode acabar se utilizado em compras supérfluas e de pouca importância, ao invés de contribuir para a conquista de "gordura" financeira neste momento. Também é preciso não esquecer que é preciso sonhar e cada pessoa deve ter no mínimo três: um de curto prazo (a ser realizado em um ano), outro de médio prazo (entre um e dez anos) e outro de longo prazo (a ser realizado a partir de dez anos).

Nessa situação, a orientação é não fazer o saque das contas. Atualmente nenhum rendimento tem a rentabilidade do FGTS, mesmo com a SELIC menor da história, pois o fundo tem rendimento mínimo.

Enfim, utilizar o FGTS é muito importante no momento, mas é preciso planejamento e cuidado para que esse realmente possa ajudar neste momento ou em momentos futuros. Lembrando que essa crise ainda irá durar por um longo tempo.