Lésbicas torturam garota até a morte e registram tudo em vídeo
Uma menina de 14 anos foi morta por duas adolescentes de 15 anos na praia de Maria Farinha, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife, na manhã de terça-feira (25). A vítima foi torturada, esfaqueada, espancada e afogada. As suspeitas gravaram toda a sequência, compartilharam o vídeo nas redes sociais e foram apreendidas à tarde.

A gravação, de teor muito forte, circula na internet. Segundo informações preliminares da Polícia Civil de Pernambuco, o crime teria sido motivado por ciúmes. A vítima teria tido um relacionamento com uma das suspeitas, que atualmente namora com a outra suspeita pela morte.

As adolescentes de 15 anos que mataram a colega e divulgaram as imagens foram autuadas em flagrante por ato infracional equiparado a homicídio. Elas foram levadas para a Delegacia de Maria Farinha e prestaram depoimento ao delegado Álvaro Muniz, responsável pelo caso. Ainda de acordo com a polícia, vídeo e fotos da morte passarão por perícia.

Apesar de ter existido um relacionamento entre a vítima e a agressora, a polícia descarta, neste primeiro momento, qualificar o caso como um feminicídio. “A hipótese vai ser apurada, mas pelo que elas (as adolescentes apreendidas) estavam contando, não havia uma relação de menosprezo por ser mulher”, explica o delegado Alvaro Muniz, responsável pela autuação.

Bianca Rocha, diretora de enfrentamento à violência de gênero da Secretaria da Mulher de Pernambuco, endossa o ponto de vista. “Se, de fato, a motivação for comprovada por ser uma questão de ciúmes, pode até se caracterizar um feminicídio. Mas pela forma com que o crime foi executado, com crueldade, acho que seria banalizar o termo”, aponta.