Superintendente Estadual de Saúde do Rio é preso em operação do MPRJ e da Polícia Civil O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ), e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), por meio do GAECO/MPDFT, cumprem, nesta quarta-feira (17), mais uma etapa da Operação Mercadores do Caos. São cumpridos dois mandados de prisão preventiva no Rio de Janeiro e outros nove mandados de busca e apreensão no Rio (4) e em Brasília (5), expedidos pelo Juízo da 1ª Vara Criminal Especializada da Capital (Rio de Janeiro).

Um dos presos é Carlos Frederico Verçosa Duboc, superintendente de Orçamento e Finanças da Secretaria Estadual de Saúde. Duboc foi preso na casa dele, em Pendotiba, Niterói.

A ação conta com o apoio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Sonegação Fiscal e aos Ilícitos contra a Ordem Tributária (GAESF/MPRJ); da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ); do Centro de Inteligência do MPDFT; da Polícia Civil do Rio de Janeiro, por meio do Departamento Geral de Polícia Especializada; e da Polícia Civil do Distrito Federal, através da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (CECOR).

A Operação Mercadores do Caos do GAECC/MPRJ, iniciada no início de maio, busca combater a organização criminosa que desviou mais de R$ 18 milhões do erário estadual do Rio de Janeiro, destinados à compra de aparelhos ventiladores/respiradores pulmonares para tratamento de pacientes em estado grave portadores de COVID-19. Passados mais de dois meses da data de entrega dos respiradores comprados emergencialmente, sem licitação, nenhum equipamento foi entregue pelas empresas, nem o dinheiro devolvido aos cofres públicos.