Queda da poluição em São Paulo provocada pela quarentena ajuda a salvar vidas a longo prazo A pandemia do novo coronavírus já causou a morte de mais de 8 mil pessoas no Estado de São Paulo. No entanto, o isolamento social provocado por ela pode ajudar a salvar centenas de vidas a longo prazo. Isso porque houve uma queda considerável na emissão de poluentes como CO e NOx nas grandes cidades, segundo dados da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). A mudança na rotina dos paulistas reduziu a quantidade de veículos circulando na cidade e, consequentemente, de monóxido de carbono, indicador da emissão de poluentes em grandes centros urbanos. Estudo da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) aponta queda no número de veículos nas ruas como maior responsável pela redução de poluentes durante o período de quarentena.

Na opinião do doutor em Geociências e professor no Mestrado em Análise Geoambiental da Universidade UNG, Fabrício Bau Dalmas, esta hipótese é muito plausível tanto pelos dados coletados durante este período de quarentena, quanto por estudos anteriores relacionados à influência dos veículos automotores na poluição do ar de grandes cidades. "Utilizando-se de números do atual período de quarenta na cidade de São Paulo, verifica-se que, na média, a taxa de isolamento social dos munícipes está em 50%. Logo, para quem mora na cidade é bastante visível que esse isolamento influenciou no menor trânsito de veículos e essa diminuição da frota transitando pela cidade ocasionou uma melhoria na qualidade do ar", explica.

Já o estudo elaborado pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) "Inventário de emissões atmosféricas do transporte rodoviário de passageiros no município de São Paulo", revela que os automóveis são responsáveis por 72,6% das emissões de gases, tais como CO, CO2, SO2 e O3.

Outro dado interessante apontado por este estudo é de que os automóveis (transporte individual) poluem muito mais que os ônibus, um transporte coletivo. Os automóveis são responsáveis por 71% das emissões do poluente na cidade, contra 25% dos ônibus e 4% das motocicletas, levando-se em conta o material particulado lançado por pessoa transportada.

"O material particulado lançado ao ar em virtude da queima de combustível dos veículos automotores é um poluente crítico e imperceptível ao olho nu. Este poluente afeta o pulmão e pode causar asmas, bronquite, alergias, além de outras graves doenças cardiorrespiratórias, podendo ocasionar óbitos", destaca o professor.

Outra pesquisa publicada pela Revista Brasileira de Epidemiologia, de título "Poluição veicular e saúde da população: uma revisão sobre o município de São Paulo", apresentou um aumento de 3% a 4% da taxa de mortalidade diária por doenças cardiovasculares, associadas ao aumento de material particulado no ar, principalmente de SO2. Para doenças respiratórias, o aumento na mortalidade diária foi de 6%. Em relação aos grupos vulneráveis, foi constatado que pode chegar a um aumento 14,2% na chance de morte de idosos por problemas respiratórios, associados ao aumento de material particulado no ar. As famílias mais afetadas possuem piores condições socioeconômicas.

No caso de crianças, a pesquisa relatou uma associação entre a mortalidade das crianças menores de 5 anos e os poluentes CO e SO2, com a proporção de mortes atribuídas a estes poluentes de 15% e 13%, respectivamente.

"Tratando-se de saúde pública, uma redução na concentração de poluentes atmosféricos estaria diretamente ligada a um menor número de pessoas com doenças respiratórias, o que desencadearia em um menor número de pessoas em postos de saúde e hospitais e, até um menor número de óbitos relacionados a estas doenças. A redução na concentração destes poluentes poderia ser iniciada com uma drástica alteração no modal de transporte das grandes cidades, onde deveria focar mais em transportes coletivos e elétricos", sugere Fabrício.