Depoimento de Flordelis durou mais de 10 horas

A deputada federal Flordelis passou cerca de 10 horas na Divisão de Homicídios da região metropolitana do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (24), prestando depoimento sobre o assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, ocorrido na madrugada do dia 16 deste mês. Outras vinte pessoas da casa, entre parentes e funcionários, também estiveram na delegacia para prestar esclarecimentos.



A parlamentar, que foi na condição de testemunha ao local, não quis falar com jornalistas. Ela admitiu em redes sociais que pode ter se equivocado em uma primeira versão apresentada sobre a morte do marido. E convocou uma coletiva de imprensa para a tarde desta terça-feira (25) na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro.



Flordelis, logo após o assassinato, cogitou que o pastor tinha sido vítima de um assalto, mas investigações da Polícia apontam para um crime envolvendo familiares da parlamentar. Inicialmente, o filho biológico da deputada, Flávio dos Santos, teria admitido em depoimento que efetuou seis disparos contra o pastor, motivado por um relacionamento extraconjugal do padrasto.



Nesta segunda-feira (24), o advogado de Flávio dos Santos, Anderson Rollemberg, negou que seu cliente tenha confessado.



“Ele falou pra mim que não confessou, a autoridade diz que houve confissão, mas ele diz que não”. Flávio não estava acompanhado de um advogado durante a suposta confissão. A arma supostamente usada na morte de Anderson do Carmo foi encontrada no quarto de Flávio, na casa da família.



Em 2018, inclusive, Flávio dos Santos tentou registro no Exército para adquirir uma arma de fogo na condição de colecionador. A permissão não foi concedida.



Flávio dos Santos e o irmão adotivo Lucas dos Santos, também supostamente envolvido no assassinado, serão transferidos nessa terça-feira (25) para o sistema prisional do Rio de Janeiro.