Publicidade

Golpe pelo WhatsApp faz mais de 850 mil vítimas com promessa de auxílio emergencial Mais de 850 mil brasileiros já caíram no golpe que promete auxílio de R$ 500 do governo federal por WhatsApp. O alerta para a nova fraude digital que mira famílias prejudicadas pela pandemia do novo coronavírus foi feito pela empresa Akamai. Todas as vítimas são donos de smartphones com o sistema operacional Android.

A dinâmica é a mesma de outras tentativas do tipo. Uma mensagem é recebida de um contato conhecido pelo WhatsApp e leva a um questionário com perguntas simples sobre a idade do usuário e a possibilidade de compartilhamento das questões.

Independentemente das respostas, ele recebe a notícia de que é elegível para receber uma bolsa de R$ 500, parte de um chamado “kit de prevenção governamental”, que não existe oficialmente, desde que envie a campanha para 10 amigos ou cinco grupos no WhatsApp.

Ao fazer isso, vem a segunda parte do golpe, com mais perguntas que podem envolver o envio de dados pessoais e o download de um aplicativo para o computador ou celular. O malware vem disfarçado de atualização do programa Flash Player, mas na realidade, é uma praga que exibe anúncios em lugares indevidos ou substitui publicidade legítima por propagandas sob o controle dos hackers, com os ganhos sendo revertidos a eles.

Caso o envio do golpe por contatos reconhecidos do usuário não seja suficiente, os criminosos ainda adotam outros artifícios para dar aparência de legitimidade à oferta. A página do questionário, por exemplo, traz depoimentos falsos que parecem ter sido colhidos de usuários do Facebook, enquanto as URLs são semelhantes às de páginas do governo federal ou fazem alusão à pandemia do novo coronavírus e o auxílio emergencial que está sendo fornecido às famílias carentes.

A campanha está em atividade desde março e atingiu seu pico no final daquele mês, com sua proliferação diminuindo na medida em que o número de vítimas aumentava e a fraude caia sob os olhares das empresas de segurança. Na medida em que alertas eram emitidos, os golpistas modificavam as URLs e a aparência da fraude, de forma a dificultar a detecção e manter sua eficácia.

Segundo os especialistas, apesar da nova aparência, o golpe não é inédito e o kit de ferramentas que permite a fraude vem sendo usado desde o ano passado em campanhas sazonais contra usuários de todo o mundo. As tentativas, como sempre, são focadas em eventos regionais ou chegam em nome de marcas conhecidas, com promessas de ofertas mirabolantes ou promoções exclusivas.

Evite baixar programas compartilhados no WhatsApp
O ideal é evitar a instalação de aplicativos que sejam enviados por e-mail ou WhatsApp. Normalmente, malwares estão escondidos sob soluções que não cumprem o que prometem e podem extrair dados pessoais dos smartphones ou os utilizar para outros fins, como ataques de negação de serviço ou tentativas de sequestro, com os dados sendo bloqueados até que um pagamento seja realizado.

Para não cair em golpes assim, não realize o download e instalação de apps a partir de fontes que não sejam as lojas oficiais de seu sistema operacional ou fabricante de smartphone. Observe comentários, avaliações de usuários e o histórico dos desenvolvedores da aplicação, e em caso de dúvidas, faça pesquisas sobre tais itens.