Vacina de quase 100 anos é nova esperança contra coronavírus A vacina bacilo Calmette–Guérin (BCG) é conhecida por ser eficaz contra a tuberculose, mas também pode reduzir o risco de morte por diferentes vírus e bactérias. A BCG, usada desde 1921, agora é estudada para combater o novo coronavírus.

O Instituto Telethon Kids, na Austrália, se interessou na possibilidade de a vacina ser eficaz contra o novo coronavírus e prepara ensaios clínicos para avaliar seu desempenho.

Pesquisadores do instituto publicaram um estudo sobre o uso de vacinas BCG em roedores. O que eles observaram foi o aumento de neutrófilos, células sanguíneas leucocitárias, que integram o sistema imune inato, o primeiro a reagir contra a infecção do coronavírus.

Muitos dos efeitos negativos à saúde podem acontecer em razão da resposta adaptativa do sistema imunológico, quando acontece a tempestade de citocinas, um fenômeno que afeta tanto as células infectadas quanto as saudáveis.

Em tese, com uma resposta inata mais forte, o vírus poderia ser eliminado mais rapidamente, acelerando a recuperação de pacientes infectados.
No entanto, por ora, ainda não há nenhuma evidência a respeito da eficácia da vacina BCG contra o novo coronavírus.

No mundo, mais de 100 vacinas são estudadas para prevenir a infecção do novo coronavírus.

A previsão mais otimista é da Universidade de Oxford, no Reino Unido. Por lá os pesquisadores estimam que a primeira vacina pode ficar pronta em setembro, se tudo correr como esperado.

Siga-nos