Motivação do assassinato de pastor não está esclarecida, segundo delegada A delegada Barbara Lomba, titular da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), disse, nesta sexta-feira (21), que ainda não está clara para a polícia a motivação do assassinato do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis (PSD), morto no último domingo (16), na casa da família, em Pendotiba, Niterói, Região Metropolitana.

“Não está esclarecida se a execução aconteceu daquela forma que foi narrada, se são só essas pessoas envolvidas, então, muita coisa ainda está indefinida. São muitas as motivações possíveis, pode ser mais de uma. Temos muito trabalho a fazer. Não está comprovada a relação extraconjugal”, disse a delegada.

De acordo com os relatos ouvidos pela polícia, antes de ser assassinado, o pastor Anderson do Carmo, estava trocando de roupa em um cômodo próximo à garagem da casa. A delegada afirmou também que precisa ouvir mais e novas testemunhas:

“Pelos relatos e pelas imagens, que a vítima chegou em casa e, alguns minutos depois, quando já estava trocando de roupa, teria voltado ao carro. Não se sabe o motivo. Em depoimento, a Flordelis disse que estava no terceiro andar na hora que ouviu os tiros, que não teria presenciado o crime”.

Bárbara comentou também que, neste momento, não vai comentar sobre um possível envolvimento da deputada no assassinato. Sobre o fato de que o casal estaria sendo perseguido por criminosos antes de chegar em casa, ela destaca que isso não foi informado à Polícia Civil:

Foro privilegiado
Como deputada federal, Flordelis possui foro por prerrogativa de função. No entanto, após restrições aprovadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado, ela pode ser investigada nesse caso, por ser fato não relacionado ao mandato.

Celulares desaparecidos
A Polícia Civil segue em busca dos aparelhos celulares de Anderson e de Flávio, que já foram requisitados, mas estão desaparecidos. Flordelis afirma não saber onde está o telefone da vítima. Na última terça-feira, pouco antes da vistoria de homens da Especializada de Niterói e São Gonçalo, objetos foram queimados no quintal da casa da família. A polícia recuperou o que havia sido incinerado para perícia, mas, o que realmente chamou atenção dos investigadores, foi a presença de um edredom com manchas de sangue num dos quartos. Na segunda-feira, no armário de Flávio dos Santos, filho biológico de Flordelis, homens da DH encontraram uma arma que teria sido utilizada no crime.

Dois filhos da parlamentar - Lucas dos Santos, de 18 anos, e Flávio dos Santos, 38 – estão presos por suspeita de envolvimento na morte do pastor. De acordo com o laudo da necropsia, o corpo de Anderson tinha 30 perfurações.