Publicidade

Prefeitura endurece medidas de combate ao coronavírus

Em ruas de Santa Cruz, Madureira, Freguesia, Taquara, Tijuca, Grajaú, Pavuna, Realengo, Méier, Guaratiba e Cascadura, na capital fluminense, apenas carros de moradores poderão circular. A medida restritiva de combate ao coronavírus faz parte de um pacote anunciado pelo prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, nesta segunda-feira (11). Ela vale a partir desta terça (12) e segue até o dia 18 de maio.



A Prefeitura do Rio também decidiu proibir estacionamentos na orla do Rio neste mesmo período. Apenas veículos de moradores serão autorizados. Além disso, o município só vai permitir apostas lotéricas online. Outra medida é a proibição do funcionamento do comércio nas comunidades, exceto supermercados e farmácias. As operações serão coordenadas com a secretaria de Ordem Pública e a Polícia Militar.



No Diário Oficial de terça-feira (12) a Prefeitura proibirá, no período de 12 a 18 de maio:



1. A realização de apostas presenciais em agências lotéricas;

2. Estacionamentos de veículos particulares na orla marítima da cidade, entre as praias do Leme e a do Pontal, exceto para os veículos de proprietários que residam nas proximidades;

3. O funcionamento de bares (até então, podiam abrir para delivery);

4. O acesso de veículos particulares de não moradores às regiões centrais dos seguintes bairros, e também aos respectivos calçadões: Santa Cruz, Freguesia (Jacarepaguá), Taquara (Jacarepaguá), Realengo e Guaratiba na Zona Oeste; Tijuca – Praça Saens Pena, Grajaú, Pavuna, Cascadura, Madureira e Méier, na Zona Norte.

5. A abertura de todo o comércio nas comunidades da cidade, com exceção de supermercados e farmácias;

6. A realização de obras, com exceção das emergenciais, assim entendidas as imprescindíveis ao bom funcionamento das instalações.



O prefeito Marcelo Crivella expôs seus argumentos para o anúncio das novas medidas:

“Muitas pessoas ainda não se deram conta da necessidade de evitar aglomerações, de ficar em casa, e somente sair para realizar trabalhos essenciais e atender a necessidades inadiáveis. Ao se exporem desnecessariamente, fazem o mesmo às demais pessoas, o que aumenta a propagação do vírus e a sobrecarga nos hospitais, aumentando o risco de mortes. Precisamos impedir que mais pessoas adoeçam e haja casos graves chegando às unidades de saúde do município. Nossa intenção é prevenir para salvar mais vidas e permitir que os hospitais tenham melhores condições de atender a todos”, afirmou Crivella.