Publicidade

Crianças em casa: cuidado com a internet

Num mundo em que as pessoas já permaneciam cada vez mais tempo conectadas, o distanciamento social provocado por conta da pandemia causada pelo novo coronavírus arrastou ainda mais toda a família para o mundo virtual. Adultos em home-office e crianças, que agora precisam do ambiente online para continuar estudando, se tornaram muito mais dependentes da internet do que antes.

Esse novo contexto acaba sendo um estímulo a mais para pedófilos agirem, tirando proveito do fato de que muitas crianças e adolescentes – conectados – estarão mais expostos às interações e investidas. Um relatório do Serviço Europeu de Polícia (Europol), publicado no início de abril, já mostrou preocupação com o aumento do abuso sexual infantil online em países afetados pela pandemia.

O Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas (NCMEC), com sede nos EUA, possui um serviço de rastreamento mundial para detectar possíveis atividades que estejam relacionadas ao abuso infantil. Em março deste ano, o NCMEC recebeu mais de 2 milhões de notificações com materiais dessa natureza, mais que o dobro do número relatado em março de 2019. Para a advogada especialista em Direito Digital e Cyber Segurança, Patrícia Peck, a preocupação também se aplica à realidade brasileira, já que criminosos e quadrilhas especializadas nesse tipo de ação já atuavam em nosso país antes da pandemia. Agora a situação pode se agravar.

Como pais sobrecarregados com uma rotina em home-office e tendo que dar conta de atender às demandas domésticas e dos filhos fora da escola podem atentar pare este cuidado?

Patrícia Peck: Apesar da falta de tempo e correria do dia a dia, é fundamental que os pais possam realizar algum tipo de supervisão das rotinas digitais dos filhos. Isso envolve dialogar para saber com quem estão conversando ou interagindo no ambiente virtual e, até mesmo, sentar junto para olhar os dispositivos dos filhos e acompanhar a navegação. Mesmo que seja por 30 minutos.

É possível usar algum tipo de aplicativo de controle de acesso à internet?

No caso de crianças menores de 12 anos é possível sim os pais usarem algum tipo de software de controle parental, para ajudar no monitoramento. E além disso, conversar para conscientizar também contribui bastante para a prevenção. Outra dica é sempre deixar bem estabelecidos alguns limites sobre sites, com quem os filhos podem falar ou adicionar na web, nos aplicativos, definir horários e tempo de uso. E deixar claro para os filhos que se houver uma abordagem pedindo foto ou vídeo da criança ou adolescente, para não enviarem nada e avisarem aos pais imediatamente.

Como os pais podem ficar atentos aos sinais de seus filhos?

Filhos que não deixam o pai ou mãe chegarem perto de seus dispositivos (celular, tablet ou computador) ou que encerram bruscamente conversas quando os pais se aproximam exigem atenção redobrada. Fique atento também a comportamentos como mudança de humor e estados de reclusão, tristeza ou agressividade. Tudo isso pode ser um sinal de que a criança está sofrendo algum assédio.

Existe também outra ameaça às crianças do ambiente virtual?

O isolamento social estimulou o convívio digital e trouxe mais ansiedade para todos, o que significa que os comportamentos podem tender a situações como depressão, excesso de exposição ou mesmo agressão. E tudo que ocorre no ambiente virtual fica registrado. Há notícias também de disseminação de fake news. Os pais precisam ficar atentos e, em casos de ocorrências do tipo, agirem com ética e sempre dentro da lei.

A especialista Patrícia Peck participa de uma live sobre o assunto, na quarta-feira (06) no canal www.specomvoce.com.br. A gerente pedagógica do Sistema Positivo de Ensino, Cleia Farinhas, vai mediar o bate-papo.

"Nessa nova realidade de uso da tecnologia para comunicação e acesso à informação em tantas plataformas disponíveis, é preciso então, mais do que nunca, ativar o modo "consciência" principalmente nos usuários menores (nossos alunos) e "vigilância" dos responsáveis para que seja garantida a qualidade e a segurança dos acessos, informações e contatos. Conhecer os riscos para melhor evitá-los: essa parece ser a melhor fórmula para preservar a saúde das relações nesse período de confinamento, a partir do qual uma nova cultura de comunicação está sendo construída e para a qual precisamos reiterar urgentemente códigos éticos e sustentáveis", reforça Cleia.