Dia Mundial do Refugiado Comemora-se hoje (20) o Dia Mundial do Refugiado como forma de lembrar a todos da existência desses milhões de pessoas ao redor do mundo que foram obrigadas a abandonar suas casas e muitas vezes seus países. É considerada refugiada a pessoa que "receando com razão ser perseguida em virtude da sua raça, religião, nacionalidade, filiação em certo grupo social ou das suas opiniões políticas, se encontre fora do país de que tem a nacionalidade e não possa ou, em virtude daquele receio, não queira pedir a proteção daquele país...", de acordo com a Convenção Relativa ao Estatuto do Refugiado de 1951.

No entanto, entre as populações deslocadas estão não só refugiados, mas também deslocados internos (ou IDPs, na sigla em inglês), pessoas que fogem dentro de seu país, ou seja, estão no território de seu próprio Estado e sob sua jurisdição.

O total de refugiados em todo o mundo passa de 70 milhões, segundo a ONU. Só no ano passado, mais de 2 milhões de pessoas foram obrigadas a fugir de suas casas, de acordo com um relatório divulgado nesta quarta-feira (19/06) pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Os venezuelanos lideram a lista mundial de novos requerentes de refúgio com mais de 340 mil pedidos de proteção internacional – trata-se da primeira vez que a Venezuela encabeça esta lista, bem à frente de afegãos e sírios.

A inflação crescente, a escassez de alimentos e remédios, a violência e a agitação política fazem com que milhares de venezuelanos sejam forçados a fugir do seu próprio país.

Em 2018, mais de um quinto dos requerentes de refúgio em países estrangeiros vieram da Venezuela, país assolado por uma profunda crise política e econômica. A Acnur computou pedidos de 341.800 venezuelanos, mas salientou que o número real provavelmente deve ser muito maior devido à escassez de informações em relação à crise na Venezuela.

A maioria precisa de assistência urgente com documentação, abrigo, alimentação e assistência médica.