Publicidade

Sergio Moro deixa ministério da Justiça e Segurança Pública

Sergio Moro não é mais o ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro. O ex-juiz da operação Lava Jato anunciou sua saída na manhã desta sexta-feira (24) em pronunciamento oficial. Moro deixa o cargo no mesmo dia em que Jair Bolsonaro publicou a exoneração do diretor da polícia federal, Maurício Valeixo, o qual ele, Moro, disse não ter visto uma causa clara para a demissão e disse que a decisão de Bolsonaro foi simplesmente política.



“Sobre a exoneração de Valeixo, fiquei sabendo pelo diário oficial, não assinei esse decreto. Fui surpreendido, e achei que isso foi ofensivo. Com essa exoneração, [Bolsonaro] mostra que não me quer no cargo”, afirmou Sergio Moro.



Moro citou os trabalhos que desenvolveu, como os recordes de apreensão de drogas, desenvolvidos principalmente pela Polícia Federal. Citou a redução expressiva de crimes, com uma queda de 10 mil assassinatos em 2019. Um recorde ao qual ele atribuiu à integração com os estados.



O ex-ministro também citou o fato de ter recebido carta branca do presidente Jair Bolsonaro ao assumir ao cargo e deu a entender que na prática isso deixou de acontecer, chegando a dizer que nem sempre recebia apoio do presidente.



“Teríamos um compromisso com o combate à corrupção, crime organizado e criminalidade violenta. Foi me prometida carta branca para nomear todos esses órgãos, como a Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal,” disse.



Ele citou alguns nomes indicados para o cargo de novo diretor da Polícia Federal e se colocou à disposição do país neste enfrentamento à Covid-19. Mas deixou claro que no momento pretende descansar.