Moro confirma atuação dentro da lei e imparcial O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse que sai do ministério se houver irregularidades da parte dele. Moro participa nesta quarta-feira (19) da sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, sobre as supostas mensagens trocadas com procuradores da Lava Jato quando ainda era juiz em Curitiba. O material foi revelado pelo site The Intercept Brasil.

A afirmação do ministro foi em resposta ao senador Jaques Wagner (PT-BA). Ele perguntou se Moro "pensa em se afastar do cargo para não prejudicar as investigações se elas forem parar na Polícia Federal".

"Se houve irregularidade de minha parte, eu saio. Mas não houve. Eu sempre agi na lei, de maneira imparcial", respondeu Moro

Por diversas vezes Moro desmentiu o conteúdo das mensagens publicadas pelo site e afirmou não ter como mostrar suas mensagens no Telegram, pois deixou de ser usuário do aplicativo em 2016.

Moro ainda acusou o site de sensacionalismo e revelou ter visto uma matéria do jornalista autor das supostas revelações com o título “O incrível escândalo que encolheu”, sugerindo que realmente fizeram uma “tempestade em copo d´água”.

"No que se refere ao conteúdo, eu estou absolutamente convicto da correção das minhas ações como juiz e sei que se as minhas comunicações, com quem quer que seja, forem divulgadas sem adulteração e sem sensacionalismo, essa correção vai ser observada. Estou absolutamente tranquilo quanto a isso", afirmou Moro.

Moro ainda desafiou o site a publicar todas as suas conversas, sem adulterações, para que a sociedade possa tirar as suas conclusões.

A comissão é composta por 54 senadores - 27 titulares e 27 suplentes. A tendência é que a oposição tente politizar o debate, enquanto aliados do governo e do ministro devem focar no debate jurídico.