Publicidade

Respirador de R$ 400 já pode ser produzido por empresas brasileiras

Empresas de todo o Brasil já têm permissão para produzir o respirador pulmonar com mais baixo custo e menor tempo de fabricação do país. O equipamento foi projetado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e seu custo está orçado em R$ 400,00. Mediante autorização da Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa), companhias podem adotar o projeto para vender ou doar equipamentos prontos.



A invenção levou apenas 48 horas para ser desenvolvida. O "respirador Railson Ramos, Mario Ugulino, Válber Almeida, Tiago Maritan e Marcos Alves" conta com interface touch-screen, acompanhado por um sistema multibiométrico com conectividade sem fio. Com ele, o sistema pode ser controlado pelo celular, por meio de um aplicativo.



O processo de montagem e programação é bastante simples, levando cerca de 1 minuto para finalizá-lo. Além disso, não se trata de um respirador de emergência, podendo ser usado por tempo indeterminado. Portanto, ele é um bom substituto para os respiradores convencionais comercializados atualmente.



Entidades interessadas devem primeiramente entrar em contato com a Agência UFPB de Inovação Tecnológica (Inova) através do seu e-mail (inova@reitoria.ufpb.br). Segundo a instituição, a produção e venda do aparelho precisa ser autorizado pela Anvisa — que avaliará o produto final por meio de testes pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).



Ainda que seja um processo burocrático, Petrônio de Athayde Filho, diretor da Inova UFPB, acredita que a atual crise de saúde acelere as tramitações para aprovação de respiradores.