Publicidade

Novo Ministro da Saúde disse receber o maior desafio de sua vida O médico oncologista Nelson Luiz Sperle Teich tomou posse na manhã desta sexta-feira (17) como novo ministro da Saúde em cerimônia no Palácio do Planalto, que foi acompanhada pelo presidente Jair Bolsonaro, pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro da Casa Civil, Braga Netto e demais ministros, entre outras autoridades.

"Hoje eu recebo certamente o maior desafio da minha vida profissional: ter a oportunidade de compor o Governo Federal, em um momento tão difícil para o Brasil e para o mundo", afirmou Teich em seu discurso.

No discurso de posse, o ministro defendeu a importância da informação para combater o novo coronavírus e a união entre os ministérios para conseguir enfrentar o problema considerando todos os aspectos da sociedade brasileira.

"O foco que a gente tem aqui é nas pessoas. Por mais que se fale em saúde e economia, o final é sempre gente", disse.

Teich também disse que a pasta deve se atentar a outras doenças comuns no Brasil. "Essa atenção na Covid, mas que toda a saúde tem que estar atenta, como dengue e influenza, isso vai entrar e complicar o sistema. Temos que tomar cuidado com isso. Temos que ver os indicadores sociais. Se tivermos mais desemprego, com menos gente com plano de saúde, vai impactar o SUS".

Durante a posse, Bolsonaro disse que o efeito colateral da pandemia de coronavírus não pode ser o desemprego.

"Devemos abrir o emprego porque o efeito colateral ao combate ao vírus não pode ser mais danoso que o próprio remédio. Tenho certeza que o Mandetta [Luiz Henrique, ex-ministro da Saúde] deu o melhor de si. Não têm vitoriosos ou derrotados. A história lá na frente vai nos julgar", disse.

Bolsonaro agradeceu ao ex-ministro Mandetta, demitido ontem da pasta. "O Mandetta assumiu esse time conosco em janeiro do ano passado. Tenho certeza que fez o que tinha que ser feito. Eu dei liberdade para buscar o melhor por meio do seu ministério. Tenho certeza que ele sai com consciência tranquila", afirmou.

Perfil
Teich é carioca e formado em medicina pela UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro). Ele chegou a ser cotado para a pasta da Saúde antes da posse de Bolsonaro na Presidência.

O oncologista foi consultor de saúde durante a campanha eleitoral de Bolsonaro e assessorou o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Denizar Vianna, de setembro de 2019 a janeiro de 2020.

Teich fundou o Grupo COI (Clínicas Oncológicas Integradas) em 1990. Em 2005, o grupo foi adquirido pela UHG/Amil.

Também fundou e é presidente do Instituto COI de Educação e Pesquisa, uma organização sem fins lucrativos criada em 2009 para fazer pesquisas clínicas e trabalhar com programas de formação nas diversas áreas de tratamento do câncer, como hematologia, oncologia, radioterapia, física da radiação, enfermagem e farmácia.

Teich coordena a parceria com o programa de consultoria MD Anderson, criada com o objetivo ser um centro integral de câncer no Rio de Janeiro.

O médico tem mestrado em economia da saúde pela Universidade de York, MBA em saúde pelo Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPEAD) e em gestão e empreendedorismo pela Harvard Business School.