Publicidade

Psicóloga Eni Peniche fala sobre melhores práticas durante afastamento social

Em um momento em que enfrentamos uma pandemia, amenizar o estresse provocado pela mudança de rotina que o coronavírus causou na vida da população mundial é uma forma importante de reforçar a imunidade, mantendo-se resistente a vírus e bactérias. Para esclarecer mais sobre este tema, conversamos com a doutora Eni Peniche, que é Psicóloga, especialista em Medicina Psicossomática e Neurociência do Estresse. Doutora Eni trabalha com palestras, mentorias e treinamentos. Ela também precisou se adaptar à nova situação e hoje realiza atendimentos online pela sua página no Instagram: @enipenicheoficial e pelo e-mail: enipeniche@gmail.com

O mundo vive uma situação totalmente inédita. Não se tinha notícia de uma doença tão letal que se espalhasse tão rapidamente por todos os países. A preocupação é cuidar da saúde física, mas em meio a tudo isso a saúde mental também acaba abalada. Como proteger a mente neste momento?

Apesar da saúde física ser muito importante, a saúde mental neste momento é que dará o maior suporte ao sistema imunológico. As tensões mentais são responsáveis pelo estresse e são as grandes vilãs da saúde.

A exposição exagerada a canais que so exibem informações negativas pode levar a pessoa a um estágio de depressão ou ansiedade?

Sim. Pode fazer muito mal. Especialmente notícias sensacionalistas e sem respaldo das autoridades competentes. O ideal é saber somente os cuidados fundamentais e praticá-los para o autocuidado e consciência social.

E como criar um ambiente agradável dentro de casa, evitando estresses familiares?

A pessoa dentro de casa poderá se sentir impotente e esse sentimento provoca o medo, que vai provocar ansiedade e estresse. Uma vez estressada, a pessoa não está bem consigo e consequentemente fica irritada e reativa a toda e qualquer comunicação.

E quem tem idosos em casa, o excesso de zelo pode ser prejudicial?

Depende, se for um zelo de apenas mantê-los no isolamento, sim. Mas se esse zelo for motivado e cultivado com carinho, gratidão e generosidade, ele é muito bem-vindo. Precisamos entender que o idoso está com o sistema imune mais frágil por falta de cuidados (amor) e outras doenças.

É possível tirar algo positivo para o convívio social em meio a todo o estresse causado pela pandemia?

Vejo uma grande oportunidade para as pessoas revisarem seus valores especialmente os familiares, como também a loucura desse sistema social impositivo sobre beleza física, sucesso posicional e felicidade ilusória sem sacrifícios. Espero profundamente que, ao entrar em contato com o sentimento de impotência, casa um perceba o quanto precisa mudar a rota existencial.

Quando tudo isso passar, há risco de ficar algum trauma?

Há o risco de trauma. O estresse pós-traumático fará parte da vida das pessoas que estão e ainda serão prejudicadas, tanto na saúde, como na vida social e financeira.

O que podemos fazer diante desta situação de estresse?

1.Manter uma boa qualidade dos seus pensamentos.

2.Exercitar o cérebro, imaginando coisas boas.

3.Manter a fé em Deus.

4.Procurar perceber o lado bom das pessoas, especialmente as próximas.

5.Sentir gratidão pelas pequenas coisas.

6.Se movimentar, alongar, mesmo em casa.

7.Pegar sol.

8.Manter uma boa alimentação.

9.Dormir muito bem.

10.Ingerir bastante água.