Missionário americano é acusado de planejar entrada ilegal em tribo indígena Líderes indígenas de uma das fronteiras mais remotas da Amazônia denunciaram o que dizem ser os últimos planos de um notório missionário americano para entrar em contato e converter os grupos tribais isolados da região ao cristianismo. Este seria um plano arriscado tanto para o missionário quanto para os povos indígenas remotos, conhecidos por terem pouca resistência contra doenças infecciosas.

As queixas dos líderes indígenas Marubo e Mayoruna foram publicadas pela primeira vez em O Globo, na semana passada, informando que Andrew Tonkin, da Carolina do Norte, EUA, e líder do grupo missionário Batista Frontier International , está planejando uma viagem à vasta Reserva Indígena do Vale do Javari no Brasil, Estado do Amazonas perto da fronteira com o Peru.

O Vale Javari é maior que a Áustria e protege o maior número de tribos isoladas do mundo. Dezesseis dos 26 grupos indígenas do vale do Javari são povos que optaram por permanecer isolados. No entanto, esta é a segunda ocasião nos últimos tempos em que um grupo evangélico foi acusado de planejar contato e conversão. O Ethnos360 (antiga Missão Novas Tribos) foi acusado de comprar um helicóptero com esse objetivo expresso em mente.

Grupos indígenas isolados têm sistemas imunológicos extremamente vulneráveis, o que significa que doenças respiratórias virais contagiosas como gripe e sarampo podem ser mortais. Atualmente, a entrada na reserva só é permitida com permissão especial da FUNAI, agência indígena do Brasil.

O Ministério Público Federal independente (MPF) pediu à polícia federal que investigasse o possível plano de Tonkin de uma expedição ilegal para uma área conhecida como Igarapé Lambança, povoada por pessoas isoladas de tribos Korubo. No entanto, ainda não se sabe que medidas a polícia federal tomará.

Em uma carta a Tonkin, o procurador Antônio Bigonha reiterou a “extrema vulnerabilidade” de povos indígenas isolados a doenças externas, especialmente durante a crise do coronavírus, e deu ao americano 24 horas para responder a perguntas sobre a suposta expedição.

Tonkin, um missionário da Igreja Batista Mount Hebron da Carolina do Norte, já é alvo de duas investigações das autoridades brasileiras por entrar ilegalmente na Reserva Javari.