Justiça nega pedido do Ministério Público do RJ e mantém cultos de Silas Malafaia A Justiça do Rio de Janeiro negou o pedido feito pelo Ministério Público estadual (MPRJ) e manteve a realização de cultos ministrados pelo pastor Silas Malafaia na Assembleia de Deus Vitória em Cristo. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (19) pelo juiz Marcello de Sá Baptista, do Plantão Judicial.

"O Poder Executivo não determinou a interrupção de cultos religiosos até o momento. O Poder Legislativo não criou lei neste sentido. Não pode o Poder Judiciário avocar a condição de Legislador Positivo e regulamentar uma atividade, em atrito com as normas até agora traçadas pelos órgãos gestores da crise existente", justificou o magistrado.

No mesmo dia, o MPRJ moveu uma ação civil pública contra Silas pedindo a suspensão dos cultos em meio à pandemia de coronavírus. Além da paralisação, o órgão também solicitou à Justiça que fosse imposta uma multa de R$ 10 mil caso os eventos fossem realizados.

Na decisão, o juiz também afirma que, "o direito à participação em cultos religiosos não foi afastado, até o momento, através do Decreto do Estado do Rio de Janeiro, que constitui um dos fundamentos do pedido [do MPRJ]".

O magistrado também afirmou que "naturalmente, todos os cidadãos deveriam seguir as recomendações previstas, para que seja contida a transmissão em massa do vírus, que provoca a Covid-19".

Silas Malafaia reagiu à intenção do MPRJ.
“O Ministério Público, agora, vai governar o estado? Porque nem o governador (Wilson Witzel) fez isso. E outra: é só com a minha igreja? Se for, é perseguição. Conheço inúmeras igrejas, milhares, que têm culto. Quero saber! Estão de brincadeira! Por que o Ministério Público não ingressa (com ação na Justiça) para reduzir o número de ônibus (nas ruas). Estou vendo todos os ônibus lotados. É só a igreja? Evidente que ordem judicial eu cumpro. Mas é só a igreja?”

Várias igrejas, de forma espontânea, preferiram manter apenas seus cultos online como forma de proteger seus fieis e pastores a uma exposição ao coronavírus. No entanto, Silas Malafaia tem sido enfático quanto à manutenção dos cultos presenciais. Para ele, fechar as portas da igreja seria uma falta de fé.

No Twitter, Silas Malafaia divulgou um vídeo na tarde desta quinta-feira (19). O pastor citou trechos da Bíblia e pediu para os seus seguidores “não repassarem nada” sobre o coronavírus nas redes sociais.

“Passem coisas boas”, apela. “O medo é um veneno. Terrível para destruir as defesas imunológicas. Minha gente, nesta hora, o pânico vai fazer você ficar sensível. Não existe remédio contra coronavírus. Então, as defesas do seu organismo têm que estar bem fortalecidas. Não passe pânico. Não tenha medo. Vamos declarar, em nome de Jesus, que todas as previsões das autoridades caiam por terra”, concluiu.