RJ tem primeiro caso de transmissão local do coronavírus O Rio de Janeiro registrou o primeiro caso de transmissão local do coronavírus. A confirmação é do secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos.

“Tivemos ontem a confirmação do exame de contraprova pela Fiocruz que faz com que o Rio de Janeiro tenha tido o primeiro caso de transmissão local do vírus”, disse.

Paciente é um homem de 72 anos da cidade do Rio de Janeiro. Ele está em isolamento domiciliar e apresenta estado de saúde estável.

A confirmação faz com que o estado passe para o nível 1 do Plano de Contingência, que prevê a disponibilidade de 206 leitos exclusivos para tratamento de casos graves de pessoas infectadas em hospitais espalhados pelas diversas regiões, incluindo unidades municipais e federais, além da rede estadual.

Segundo o secretário, é importante que pessoas mais sensíveis ao vírus – idosos acima de 60 anos, pessoas que já têm doenças cardíacas ou pulmonares – comecem a mudar seus hábitos.

"Não faz sentido que elas continuem frequentando locais de grande adensamento, como metrôs, trens, cinemas – que têm menos pessoas, mas são locais fechados – e estádios de futebol. E mesmo eventos em locais abertos, como comícios e shows, devem ser evitados".

Medidas emergenciais

Nesta quarta, o governador Wilson Witzel divulgou um decreto para o enfrentamento emergencial do coronavírus. A publicação ocorreu em edição extraordinária do Diário Oficial.

Em uma nota divulgada à noite, o secretário diz que o decreto "não tem novidade".

“O decreto tem o objetivo de dar à Secretaria de Estado de Saúde mais agilidade no enfrentamento da crise, inclusive na compra de insumos, aluguel de equipamentos e construção de novos leitos. É um decreto que regulamenta em nível estadual a lei federal promulgada em fevereiro. Não há novidades no decreto. Na verdade, ele até repete alguns aspectos da legislação que já existe”, disse.

O decreto determina que os órgãos competentes devem "adotar as medidas judiciais cabíveis", caso o paciente se recuse a adotar certos cuidados, como: isolamento, quarentena, exames médicos, testes laboratoriais, coleta de amostras clínicas, vacinação, tratamento médico e investigação epidemiológica.